Ai wo utau yori ore ni oborero

(Cuidado!!  Pode ser que contenha um pouco de spoiler.)

Falar dessa obra é algo realmente difícil. É um dos mangás que eu mais amo, e ter saído um live action foi um prêmio para mim mesmo que ele não tenha sido tudo do jeito que eu esperava.
Ai wo utau yori ore ni oborero” é um mangá que tem duas partes o que me deixa confusa desde que pesquisei sobre ele. Há quatro anos, eu encontrei esta obra traduzida no site Mangá Space com cinco volumes, porém ano passado, fuçando em um site que tinha mangás em japonês, encontrei outra parte que, até então, não tinha conhecimento da existência. Dei uma olhada e vi que era uma continuação do que eu já li com o titulo de “Ai-Ore! Danshikõ no Hime to Joshikõ no Oji” que infelizmente não foi traduzido até agora, também não achei em inglês nem espanhol. Onegaii, alguém traduza.


O Live action foi lançado em 2012, porém só tive conhecimento ano passado que foi legendado e postado pelo site Dopeka. Eu fiquei extremamente feliz, porque é uma das minhas obras favoritas. Eu gostei bastante dos atores que interpretam os personagens principais embora esperasse que a menina fosse um pouco mais máscula que a atriz que a interpretou (mas ainda assim, eu amei).  Não teve toda a perversão, foi algo bem puro. Usaram e abusaram da moda diferenciada do Japão, estilo Lolita e cia, quem ama com certeza vai amar ver este live action. Fizeram uma ótima leitura e colocaram em poucas horas, apesar de eu não ter gostado dos momentos finais, que foram muito vagos.
Mas vamos falar sobre esse enredo, porque essa obra me cativou. No começo, eu confesso que quando eu encontrei esse mangá eu tinha acabado de dar um STOP bem grande em mim, porque eu havia me viciada de forma trágica em Yaoi. Encontrar “Oborero” me ajudou muito a superar todo esse transtorno em minha vida.


Estamos falando de uma história que envolve um garoto extremamente fofo que as pessoas sempre confundem como sendo uma garota, a princesa da escola de meninos onde ele estuda. É uma garota tão charmosa e sensual que é confundida como menino pelas pessoas, o príncipe da escola feminina em que estuda. Então, a história que envolve o encontro desses dois opostos e ao mesmo tempo tão iguais conquistou meu coração. Por quê?


Tá, primeiro eu confesso que tem um motivo pessoal que eu não posso dizer. Mas tirando esse pequeno ponto pessoal, o que eu posso dizer é que quem me conhece ou lê os meus textos já sabe que eu amo coisas fofas, amo extremamente, e sim amo garotos fofos. Então, posso dizer que Akira Shiraishi foi tipo amor à primeira vista. Como se não bastasse ele ser fofo, ele tem tantas qualidades que, no final, o torna um homem incrível.

Conforme você vai lendo, você se vê que o Akira não é somente um garoto fofo, ele é alguém que tem atitude diante da garota que gosta. Ele é forte o suficiente para proteger a mulher que ama, tanto na força quanto nas atitudes. Nosso herói é capaz de qualquer coisa pela mulher que ama até mesmo se passar por mulher que é o que ele mais odeia. Ele é sexy e dominador, quer monopolizar por inteiro a mulher que ama. Para ele, não tem meio termo, ele quer amar e ser amado por inteiro. Dúvidas não são aceitas, ele tem aquelas pitadinhas de perversão que eu adoro.
Mas nem sempre foi assim, essa confiança, força e atitude, ele não teve isso à vida inteira. Como ele sempre foi fofo, os garotos, mesmo sabendo que ele era homem, não conseguiam vê-lo como garoto, então ele cresceu sempre sendo abolido ou protegido por eles. Não tinha amigos e era odiado pelas garotas (por que será, né?). Akira chorou como uma criança solitária sem saber quem era ou o que deveria fazer, vivendo em uma família de lutadores profissionais ele era o único de estatura pequena.



Ele já havia tido um primeiro amor quando ainda pequeno, mas nunca mais foi capaz de vela. Dúvidas por todas essas confusões nasceram em seu coração, foi ai que ele conheceu alguém que fez o coração dele bater por um momento. Ele quase acreditou que seu  destino era  ser gay mesmo, mas quando soube quem aquela pessoa era se sentiu aliviado e passou a observa-la de longe. Assim, percebeu que mesmo que ela fosse alta, tivesse ombros largos e fosse facilmente confundida como um homem, ela era incrivelmente encantadora e cada dia foi vendo o quanto, na verdade, ao Invés de um homem bonito ela era mesmo uma linda mulher.
Então, em nome do que ele sentia por ela, resolveu mudar e, por pouco tempo, construiu essa confiança e força, e ao invés de mudar sua aparência a usou para obter forças. Às vezes tudo que precisamos é apenas se aprimorar, não odiar o que somos. Transformar o que poderia ser um defeito aos nossos olhos em algo que possa ser bom para nós mesmo. Então, um dia, depois de estar com muita autoconfiança, finalmente, decidiu aparecer diante da mulher que o deu forças para mudar.


E claro, não posso deixar de falar dessa protagonista que também ganhou meu coração. Mizuki Sakurazaka, guitarrista de uma banda feminina chamada Blaue Rosen. Assim como ela, todas da banda têm aspectos um tanto masculinos. Mizuki é o príncipe da escola desde quando se lembra, diferente do Akira, ela não se incomoda com isso, ela ama tudo isso. Ela não tem nenhum interesse em particular por garotas, na verdade, acredito que nossa heroína nunca tenha parado para pensar em relações seriamente. Sim, ela é pura.
Embora tenha essa aparência máscula, na verdade, Mizuki é supersensível, e mesmo que ela não veja, as pessoas que vivem a sua volta reconhecem que embaixo de todo esse disfarce másculo, na verdade, há uma linda mulher. Ela diz odiar garotos porque “eles fazem um mal danado para saúde”. Mizuki teve um amigo na infância que era extremamente encantador, então, ela passou a sentir coisas estranhas em seu corpo e desde então ela acredita fielmente que garotos fazem mal a sua saúde, evita o quanto pode.

Quando Akira apareceu em sua vida, sua melhor amiga e vocalista da banda estava indo embora então eles precisavam de uma nova vocalista. Akira se ofereceu para ser a vocalista (é, vocalista), ela disse que estava agradecida que uma linda garota queria entrar, mas que não precisava. Então, ele disse que era homem o que deixou Mizuki chocada. Ela disse que agora muito menos, porque era uma banda de garotas e o ignorou.


Foi ai que Akira, finalmente, começou a dar suas investidas. Ele era claramente apaixonado por ela, mas, no começo, tentou o quanto pode ser amigo dela. Mizuki continuou o ignorando, mas aos poucos começou a ficar mexida por ele. Embora ela achasse que isso era só uma doença, suas amigas disseram a ela o que significava tudo isso, e, então, aos poucos ela começava a reconhecer sobre seus sentimentos. Foi andando ao lado de Akira que aconteceu a primeira vez que se sentiu mal por ser confundida com um homem.


 Aos poucos ela foi vendo que Akira não era apenas um garoto fofo, na verdade, ele era mais másculo do que as pessoas de fora poderiam ver. Mizuki nunca pensou que um dia ia ter desejo de ser vista como mulher. Bastou ela se apaixonar para querer ser vista e amada como mulher, mas como lidar quando um garoto que você gosta é mais feminino que você? Será que esse tipo de relacionamento irá dar certo? Não vai criar um complexo de inferioridade?


Então ai começa a luta do nosso amado Akira tentando possuir, dominar por inteiro a mulher que ama. Além desses dois existem as garotas da banda que são muito legais e divertidas, eu gostei delas tanto no live action quanto no mangá.
Também temos os dois perseguidores e protetores do Akira, o presidente e o vice-presidente da escola que aprontaram várias vezes com ele. Inclusive, foram os tais quem deram o título de princesa da escola para nosso protagonista. O presidente aprecia a beleza de Akira. Depois de conhecer Mizuki acaba tendo interesse por ela também. Mas nada aprofundado, como ele disse, ele só ama coisas que são bonitas não importa se são mulheres ou homens.  O vice-presidente diz acreditar que o Akira na verdade não é homem e sim uma mulher e que será dele um dia (ele é meio estranho).

Para quem curte um Yaoi, vai curtir bastante esse mangá também, embora não seja Yaoi, vocês já podem imaginar que o Akira passa por vários momentos que Fujoshis adoram. Tirando que como a Mizuki parece um garoto e mesmo o Akira parecendo menina, na verdade, é um garoto então fica aquela visão meio yaoi quando vemos os dois juntos vestidos.

Então eu amei esse mangá, e o Live action, acredito que todos os tipos de pessoas podem gostar dele (talvez menos garotos). Tem uma história de amor muito linda e quente, então se você for forte o suficiente para aguentar a grande excitação que esse mangá vai te dar, leia. Tenho certeza que você vai curtir. Lembrando que temos cenas meio Hots, mas nada explicito então tranquilo.


Como eu tenho um grande fetiche por orelhas eu quase morri quando vi o Akira de orelha de gato.



E ai já assistiu ou leu?  O que achou?  Se você não viu, mas se interessou, não perca tempo, entre e abaixe os capitulo agora mesmo. E depois assista o live-action.





2 comentários:

  1. Nossa que louco xD huahuahuahua é muito troca-troca de papéis e pelo que vc contou parece sem bem divertido!!

    Beijos de glitter!
    Sussurro do Ar

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho quase certeza que marquei esse manga como yaoi, pois não li a sinopse na época para ler...
    Que fofo essas orelhinhas ah ,sou suspeita adoro personagens com jeito de shotas e que são bravos tipo o Syo
    Me lembrou um pouco a atriz de Coffe Prince esse ator, quando disfarçada de homem, amei aquele dorama
    bye bjs

    ResponderExcluir