Meteor Garden - Jardim de meteoros (C-drama)


  

          Sempre que sai uma nova versão de “Hana Yori Dango” (clique aqui), fico animada, porque tenho muito carinho pela história. Se você ainda não conhece o original, te convido a ler a postagem, que está muito legal, e você ficará por dentro de quais são as demais versões. Dessa vez, saiu a versão chinesa, com o título “Meteor Garden”, lançada em 2018, e foi disponibilizada aqui, no Brasil, pela Netflix. Então, qualquer um que tenha a assinatura poderá assistir sem qualquer problema. A qualidade de produção está fantástica. Achei muito bom o elenco. Não conheço muitos atores chineses, mas gostei bastante desses. "Meteor Garden" segue praticamente à risca o mangá, trazendo muitos acontecimentos que não verão nas demais versões. Como se trata de uma cultura diferente, eles mudaram algumas coisas. Mesmo sendo o mais próximo do original possível, teve alguns arcos que eles cortaram e, inclusive, mudaram o final. Como já falei diversas vezes da mesma história, apenas farei um resumo e depois falarei um pouco dos personagens e suas diferenças em relação ao original.
            A história envolve uma jovem moça humilde que começará sua vida de universitária em uma das faculdades mais prestigiadas do país. Esperando que seus dias sejam apenas de realizações, ela acaba se envolvendo com um grupo de garotos populares, conhecido como F4. Além de serem os mais ricos, eram todos universitários prodígios, respeitados, admirados e invejados. Contudo, ela acabou entrando em conflito com eles, por diversas situações, provavelmente, armadas pelo destino. Depois de provar o suficiente do egoísmo e arrogância do líder, que passou a implicar diretamente com ela, a moça se levanta, de saco cheio de tudo isso, e dá uma lição no valentão, que estava fazendo de tudo para tornar sua vida impossível. Ela mostra que nunca se rebaixará a qualquer tipo de injustiça, não importa de quem seja. Acaba provando seu valor e conquistando, até mesmo, a admiração do próprio valentão, que, por sua vez, passou a fazer de tudo para conquistá-la. Agora, sua vida pacata está para sofrer um giro totalmente inesperado, que a mudará por completo. Um caminho sem volta à sua normalidade.


            Song Shancai é o nome dado para a personagem Tsukushi Makino. Pelo que entendi, ambos têm o mesmo significado. Diferentemente da original, que deseja ser advogada e ainda era estudante do ensino médio, Shancai é uma universitária que quer se especializar em gastronomia, para ajudar a sua família. Ela é filha única. Quem conhece a história original, sabe que ela tem um irmão mais novo. Apesar deles serem pobres, em nenhum momento os vi viverem miseravelmente, o que é um ponto diferente também. Apesar de, no mangá, ela ter um bom amigo na escola, em nenhuma versão isso acontece, no entanto, já começa a sua vida universitária com esse bom amigo ao seu lado. Achei a atriz que fez a Shancai muito boa. Não gosto da parte em que trabalham tão detalhadamente a teimosia da personagem, porque da muita vontade de bater nela. Vocês sabem, na vida tudo tem limite. Então, de todas as versões da Tsukushi, essa foi a mais irritante e chata. Contudo, confesso que, uma vez que ela decidiu ser sincera, tudo correu de forma muito boa e passei a gostar dela. Ela mostrou sua coragem, determinação e, finalmente, usou sua teimosia de forma útil.


            Daoming Si foi o nome dado para o Tsukasa Domyouji. Os sons dos nomes são bem parecidos, então não senti que era tão diferente. Há várias coisas parecidas e outras iguais. Primeiro, a parte dele ser violento pode até ser igual, porém, ao menos o Si não praticava bullying, que é um ponto muito importante. A arrogância e o jeito valentão são os mesmos. A inteligência é a mesma, mas o Si, por ser universitário, já estava mais distante, fazendo seus próprios negócios e ganhando seu próprio dinheiro, mas nem mesmo sua mãe tinha conhecimento. Eu gosto de todos os Domyouji que já conheci, mas o meu favorito sempre foi o da versão japonesa. Porém, agora, acho que, de todos, o Si é o mais amável. Ele ganhou meu meu coração com seu sorriso, sua determinação inabalável e com todo seu ser. Claro que todos têm esses pontos, mas acho que, provavelmente, o ator expressou tudo isso de forma tão única, que é impossível não se apaixonar.


            O desenvolvimento do relacionamento deles foi MUITO demorado. Acho que isso que me desanimou. Vocês sabem eu sou louca por romance e, quando isso fica enrolando demais, começo a ficar realmente ansiosa e se torna desanimador se a coisa se torna persistente demais. O Si provou ser tão romântico, tão fofo e tinha um amor tão inabalável e puro, que nos envolvia com sua ternura. Quando a chata da Shancai não dava valor para isso, me deixava fora do sério. O garoto só faltava lamber os pés dela, ser o tapete e a menina não era capaz de admitir seus sentimentos de jeito algum. Eu até entendo que o motivo, provavelmente, é que ela sabia que ele era um caminho muito difícil e, muito provavelmente, só estava se protegendo. Ela queria ir por um caminho mais fácil e continuar com sua vida simples, mas já era tarde, pois sua vida nunca mais poderia ser apenas simples. Acho que tudo aconteceu para que eles pudessem finalmente ficar juntos e se aceitarem de todo o coração. Foi algo maravilhoso. Uma coisa que gosto é que eles tiveram uns episódios em que pareciam namorados, de fato. Deu tempo para apreciar isso, diferentemente dos outros, em que todo o tempo estavam na corda bamba e nem tiveram tempo para curtir um ao outro. Porém, quando tudo parece em paz e faltam episódios para acabar, dá um puta medo e você já espera que vai dar merda. E dá mesmo.

            Huaze Lei foi nome dado para o Rui Hanazawa. O personagem segue muito mais a linha do mangá. Ele ainda compartilha o jeito doce, gentil e terno do original. Está envolvido com a música como o mesmo, mas tem problemas de infância distintos. Lei, quando criança, tinha alguma porcentagem de autismo. Porém, o com tratamento que teve, hoje nem parece. É um rapaz muito quieto e totalmente na dele. Assim como os demais, é apaixonado Teng Tangjing, que é o nome dado para Shizuka Todo. Lei, desde o começo, passou a ajudar a Shancai, mesmo dizendo que não se importava. Ao vê-la se levantar tantas vezes, não importasse o que Si fizesse, acabou nascendo uma certa admiração por ela. Para mim, esse foi o mais diferente de todos. No começo, achei que apenas seria como o mangá, em que ele realmente parece demorar a desenvolver sentimentos por Shancai. Porém, mesmo ele dizendo que gostava dela, não consegui sentir que os sentimentos dele eram, de fato, profundos. Achei que ele expressou de forma muito superficial, ao ponto de nos deixar em dúvida de quais eram mesmo os sentimentos dele, afinal. No fim, ele foi só mais um bom amigo do que um possível rival, que estava sofrendo na friendzone.


            Feng Meizuo foi o nome dado para o “Akira Mimasaka”. Um playboy mulherengo que gosta de mulheres mais velhas.  Não entendi ao certo qual era sua especialização, mas parece que era arquitetura, diferentemente do original, que fazia parte da Yakuza.  Achei-o bem fora do padrão das versões, embora ele tenha muito a ver com o personagem original do mangá. Nesse dorama, deram um foco a mais a ele, mostrando-o se apaixonando, pela primeira vez, profundamente por uma mulher. Fez de tudo para conquistá-la, mas, no fim, a deixou ir para o rumo que, provavelmente, seria a felicidade dela. Acho que ele é um personagem de apoio. Não há muitos detalhes sobre ele.


            Yan Ximen é o nome que deram para Soujiro Nishikado. A parte em que ele vem de uma família tradicional de chá é igual. Até mesmo ser playboy, não acreditar no amor e evitar se envolver profundamente com mulheres. Tem um pai mulherengo também. Ele acabou encantando a melhor amiga da Shancai, Jiang Xiaoyou, que é o nome dado apara Yuki Matsuoka. De certa forma, ele gostou dela, mas por ela ser exatamente quem era, não se atreveu a se envolver com ela. Só queria ser amigo, mas a garota, que havia se apaixonado, começou a dar sérias investida, tendo comportamentos que até não pareciam dela. Achei bem interessante esse desenvolvimento, que foi bem diferente das demais versões e concluiu o relacionamento deles. Xiaoyou nos surpreendeu muito com sua força, coragem e dedicação. Aquele shippe tão esperado, finalmente, deu frutos.


            Quando comecei a assistir, parecia muito legal. Até me prendeu nos 5 primeiros episódios, no entanto, depois disso, passou a ficar chato. A verdade é que seguir à risca a história original não foi lá uma boa ideia, pois fez o dorama se tornar cansativo.  Enquanto lia o mangá, me senti várias vezes desanimada, por haver uma grande enrolação desnecessária. Deu-me uma vontade louca de socar a personagem principal. Na leitura, você controla o tempo, mas, em dorama, é 1 hora cada episódio e pode ser torturante quando as coisas estão chatas. Foi muito difícil para mim, porque são quase 50 episódios e parecia uma eternidade. Só fui voltar a me sentir animada nos 10 últimos episódios, quando finalmente as coisas começaram a acontecer. Ainda bem que não sou o tipo de pessoa que desiste no meio do caminho, mas sei que tem muita gente que, quando começa a ver algo que fica chato, desiste. Galera, não desista! Os 10 últimos prometem muita emoção para o nosso coração. Entre todos os finais das versões, eu sempre gostei do japonês. No entanto, mesmo eles mudando várias coisas do final, para mim, esse foi o final mais especial. Gostei muito.
            Então, convido vocês a conhecerem todas as versões, se conseguirem. Não vai ficar chato, porque a cultura é diferente e muitas coisinhas mudam. E, claro, assistam a esse dorama. Como eu disse, não gostei de uma boa quantidade de episódios, mas gostei tanto dos últimos dez, que não consigo dizer que não gostei do dorama. INDICADO!!!



Gênero:   Romance, drama,  comedia
Autor:  Youko Kamio
Anime:  52 episódios
Mangá:  36 Volumes
Dorama:  49 episódios

Existe as demais versões. 

Ler mangá:  Mangá Spece

0 comentário

Postar um comentário