Okane Ga nai




          Ah... se não fosse pelo maldito tédio que me assolava naqueles dias, eu nunca teria escolhido um caminho tão obscuro e sem volta. “Okane ga nai” foi o primeiro yaoi da minha vida. Eu costumo dizer que o tédio me leva a fazer besteira, e isso é um fato. Em minha defesa, eu só fui saber que era yaoi quando comecei a assistir. No entanto, se além do tédio eu não fosse tão curiosa, eu teria parado naquele mesmo momento. Todavia, eu cruzei um caminho impossível de voltar. Foi a partir daí que me perdi nesse horizonte.  Não vou entrar em detalhes. Muitas coisas aconteceram depois disso, mas a parte boa disso tudo é que, através desses animes e mangás, eu aprendi a respeitar a preferências das pessoas e não olhar o relacionamento homossexual como um bicho de sete cabeças. Além de que, as historinhas são tão fofas, tão fofas, que é impossível não gostar. Só não aconselho a começar com esse título, pois ele é bem pesado. Conteúdo para maiores de 18 anos.


            Algo que eu não sabia é que essa história, na verdade, era uma novel, que foi lançada em 1999 e concluída em 2016, com 9 volumes. Não encontrei para ler, infelizmente, mas gostaria. O mangá foi lançado em 2002 e concluído em 2016, com 14 volumes. Gosto muito da ilustração. Eu havia parado de acompanhar em 2012, em fansub, porém, agora que reli, percebi que daquela época para cá só teve mais 6 capítulos e, desde 2016, não atualizam. Estou muito frustrada, pois queria ir até o final. Procurei em outras línguas, mas não achei nada completo. Seguirei esperando a conclusão dessa história. O anime foi lançado em 2007, com apenas 4 episódios. A qualidade não é das melhores, devido ao tempo de produção. Não gosto muito da dublagem de alguns dos personagens. Por ser curto, pegamos só o começo de toda a situação, mas é o suficiente para faiscar dentro de você e te fazer querer ver mais. Com isso, você pula para o mangá, que é muito mais detalhado e vai, obviamente, muito além.
            O enredo gira em torno de um rapaz de 18 anos que foi traído e vendido pelo seu primo num leilão, para que pudesse liquidar uma parte de suas altas dívidas. Ele é arrematado por $120 milhões, por um homem que o conheceu no passado, cujo o garoto o salvou, mesmo sendo completos estranhos. Ele o comprou por se sentir no dever de retribuir e por desejar mantê-lo perto de si. No entanto, o jovem, que não se lembra mais dele, tenta recuar. Assim, o empresário resolve usar a dívida de $120 milhões para forçá-lo a ficar ao seu lado e fazê-lo lembrar que o pertence. Sem condição alguma de pagar essa dívida, o garoto é obrigado a aceitar a opção de vender seu corpo por $500 mil, a cada vez que fizessem sexo. O rapaz conseguirá liquidar suas dívidas dessa forma vergonhosa?  O empresário irá realmente tratá-lo como objeto de posse até o fim?


            Ayase Yukiya é um universitário de 18 anos que, após perder seus pais, passou a ser muito solitário. Mesmo sendo homem, é facilmente confundido por mulher, devido à sua aparência delicada e meiga. É um garoto muito atencioso, bondoso e ingênuo, incapaz de enxergar a maldade humana. Mesmo depois de ser traído e vendido pelo seu primo, ele ainda se preocupa com o bem-estar do mesmo e quer acreditar que nem tudo foi feito por pura maldade. Assim, como sempre, procura pensar o mesmo de qualquer pessoa que conhecia, mas que tentou lhe fazer mal durante o desenvolvimento. Após ser comprado, ele também quis acreditar que essa pessoa, que deu tanto dinheiro por ele, tinha boas intenções. Porém, ele nem imaginava ao que teria que se submeter. Para Ayase, que era hétero, foi uma situação anormal, humilhante e devastadora. O que mais o aterrorizava era o fato de que, aos poucos, esse envolvimento lascivo estava o mudando, por mais que ele estivesse resistindo. O fato de tudo estar sendo destruído, a sua imagem, o seu coração e as suas crenças, o assustava. Mesmo querendo se livrar dessas amarras, não havia qualquer opção decente que pudesse ajudá-lo a juntar tanto dinheiro. Ao mesmo tempo em que tinha muito medo de seu comprador, que tomou seu corpo tantas vezes, mesmo ele não querendo, em partes, o rapaz entrava em contradição, toda vez que seu suposto dono era gentil, quando o tomava ou se preocupava com o seu bem-estar. Ele se entregará a essa situação de vida ou resistirá até o fim?


            Kano Somuku é um empresário, de 26 anos, que administra uma firma financeira. É um homem bonito, de presença marcante, egocêntrico, perspicaz e rude. Além de que, ele tem pavio curto, o que leva a ficar facilmente violento. Mesmo sendo muito jovem, ele é bem influente e causa temor às pessoas que sabem exatamente de quem se trata. Kano diz não ter amigos e que, para ele, existem só três tipo de seres humanos: inimigos, aliados ou servos. Há uns três anos, quando seu pai foi assassinado e ele estava em uma situação difícil, foi acolhido por Ayasa, mesmo sendo um completo estranho. O garoto cuidou de suas feridas e lhe deu um lugar para ficar naquele dia, em que se encontrava desamparado. Isso o cativou e causou uma marca muito grande em seu coração. Depois, mesmo sendo hétero, começou a ter sonhos em que fantasiava tomar o rapaz. Isso foi desconcertante, pois Kano odeia homossexuais. Provavelmente, passou por um tempo de negação. Observava o garoto de longe, até que, um dia, chegou a hora de retribuir a sua bondade, comprando-o no leilão.


            A sua intenção era realmente o salvar, pois ele poderia ser comprando por alguém que nem sequer o trataria como humano. Além de que, também desejava protegê-lo e mantê-lo ao seu lado. Contudo, o garoto destruiu as suas expectativas, não se lembrando dele e se negando a ficar ao seu lado, por estar preocupado com outro homem que, obviamente, não se importava com sua vida. Como ele tem pavio curto, isso o tirou do sério fazendo-o perder totalmente o controle da razão, deixando que seus desejos mais profundos o dominassem. Assim, estuprou seu amado. Mesmo que, após terminar, estivesse totalmente arrependido de suas ações, não havia mais volta: se ele tivesse que ser cruel para mantê-lo ao seu lado, ele o faria. Assim, fez o garoto não ter saída, a não ser continuar ao seu lado, se entregando a ele, para pagar o que o devia.


            Obviamente, não era isso que Kano queria, mas ele não conseguia ser honesto sobre o que sentia, além de achar que, mesmo que fosse, isso não faria com que Ayase o escolhesse. Ainda que fosse difícil, continuaria usando a dívida para prender o garoto a ele. Depois de ter começado de forma errada, Kano resolveu fazer de tudo para conquistar a confiança do Ayase, salvando o primo de suas dívidas e deixando-o ir à faculdade, apesar de odiar a ideia. Até mesmo o deixou trabalhar no bar de travestis, que era de um conhecido de infância. Tudo para deixá-lo feliz. O empresário, que é temido por todos abaixo dele, só demonstra seu lado gentil, atencioso e amável a Ayase. Quando se trata do garoto, ele é dominador, ciumento e possesivo, não permitindo que ninguém chegue perto dele sem sua autorização. Kano continua mostrando seu desprezo por homossexuais. Afirma ser hétero e justifica que seu interesse por Ayase é especial. Mesmo não querendo reconhecer, no fundo, ele sabe que, ao entrar em um relacionamento com o garoto, isso também não o faz diferente aquilo que odeia. Mesmo nessa situação toda, ele não esconde de ninguém o relacionamento que tem com seu amado.


            Ayase não consegue aceitar. Não importa quantas vezes tenha sido tomado ou quantas vezes tenha, de fato, sentido prazer ao ser possuído por Kano, continuava achando isso anormal. Confirma ser hétero, sem interesse algum em homens, o que fere ainda mais o apaixonado Kano, que não consegue segurar seus desejos e a raiva continua o forçando a fazer sexo, com a ideia de que, uma hora, ele vai se entregar. O rapaz, apesar de ser simpático, também tinha seus preconceitos. Tanto que, quando foi trabalhar na cozinha do bar de travestis, ficou chocado com os tipos de pessoas que conheceu ali. Porém, foi ali dentro que ele passou a entender os sentimentos dessas pessoas e ver que não há nada anormal quando se há amor. Contudo, ainda continuava relutante, mesmo que seus sentimentos já tivessem sido balançados pelas vezes que provou da gentileza e do amor de Kano. Acredito que, apesar de Ayase não ter admitido, ele já tem sentimentos por Kano, mas, o fato de não ter se entregado é por não ter compreendido que o empresário tem sentimentos verdadeiros e por esta relação ser levada, desde o começo, pela chantagem da dívida. Mesmo com toda essa situação, eu acho-os tão fofos juntos! Não vejo a hora dele demonstrar seus sentimentos de forma clara. Kano vai ficar realizado e feliz.


            Shinobu Someya, ou, seu nome feminino, Kaoruko, é filho de um advogado que tinha sociedade com o pai de Kano. Sendo assim, cresceram convivendo juntos. Para ele, provavelmente, Kano é seu amigo. No entanto, o empresário o trata de forma indiferente e sempre o ameaça, por não o suportar, já que é travesti. No fundo, eles são amigos de verdade, mas não admitem. Kaoruko é uma belíssima travesti. Muito bem estruturada e tem o seu próprio bar. Apesar de seu modo de vida não ser aceito por seu pai, ambos se amam muito como pai e filho. Kaoruko é reprendida por ele, mesmo assim, continua o respeitando e amando. O Okama acabou se cativando por Ayase, e percebe, logo de cara, como a presença desse garoto tem mudado seu amigo. Desde então, tem observado o desenvolvimento disso e sido conselheiro de ambos. Foi ele que convenceu Kano a deixar o menino trabalhar em seu bar, para que essa convivência o ajudasse a mudar a forma que vê um relacionamento entre homens.


            O que não gosto nesse enredo é como Ayase leva certas situações de forma ambígua, e como todos os caras que o conhecem ficam afim dele. Como isso se torna frequente demais, foi bem irritante, para mim. Eu queria um tempero oposto, alguém interessado no Kano, de preferência mulher, já que ele era hétero, para dar uma sacudida no Ayase. Não acho justo só o Kano ter ciúmes e se sentir inseguro de que, a qualquer momento, alguém vai roubar o seu amado dele. Quero ver o Ayase sentindo isso também. Acho que seria um bom gancho para fazê-lo ser mais honesto com o que sente por Kano. Uma coisa que me incomoda são os olhos de criança de Ayase, o que dá a sensação ruim de estar vendo algo de pedofilia. Porém, eu sei que toda a aparência e jeito de ser de Ayase devem ter sido inspirados em anjos. Então, por isso, tem esses olhos inocentes. Não posso fazer nada, pois ele é fofo demais, até os trajes são inspirados em seu ser inocente.
            Tem vários personagens. Eu poderia muito bem falar de mais alguns, porém, prefiro falar somente desses. Os demais são suportes na história. São interessantes, mas prefiro gastar o meu tempo falando desses dois. Então, eu indico o ova, mas prefiro o mangá, por ser mais detalhado. E, por favor, não assistam ou leiam se não forem maiores de idade. Tem muitas cenas de sexo explícito, além de ter violência e outros fatores. INDICADÍSSIMO para quem gosta do gênero.


Gênero:   Romance, Yaoi, comedia, Drama
Autor: Hitoyo Shinozaki
Novel:  9  Volume
Ilustrador: Touru Kousaka
Mangá:  14  Volume 
Ova:  4 episódios 

0 comentário

Postar um comentário