Baby Pop

          

  Quando li esse mangá, há alguns anos, eu esperava seriamente que a história corresse para o lado proibido da vida. Até mesmo fiquei receosa em o ler. Afinal, por mais que eu tenha uma queda pelo o proibido, há certos limites para tudo na vida. Se bem que, pensando nisso, até eu fico confusa sobre quais são meus limites quando envolve história. Deixando isso à parte, esse mangá tem uma história realmente interessante. Me fez ficar com uma sensação estranha várias vezes, mas só no final eu realmente  consegui concluir os meus sentimentos em relação a eles. A ilustração não é  uma das melhores, mas tem traços bons sim.

            A história envolve uma adolescente, filha de uma modelo e escritora famosa que, recentemente, se casou com um fotógrafo que é mais novo.  Só que em um trágico acidente, veio a falecer, deixando sua filha e seu esposo. Entretanto, estão correndo várias polêmicas entre os familiares de sua esposa e algumas pessoas de fora, que acham que não seria bom uma menina adolescente morar com um homem tão novo com o qual não tem vínculo de sangue. Ainda mais ele que parece ser irresponsável e um verdadeiro playboy. Em meio a muitas confusões, a adolescente decide dar uma chance, viver com ele e, quem sabe, conseguir entender o motivo de sua mãe ter o amado tanto.


            Nagisa é uma estudante até que muito madura para sua idade, talvez por sua mãe ser muito ocupada com o trabalho, ela acabou por se tornar bem independente. Sua relação com sua mãe era muito boa: mais que filha e mãe, eram bem amigas, então perder sua mãe foi um choque que ela não conseguiu expressar no funeral e, por isso, as pessoas ficavam falando o quanto ela era fria.  Aquele cara que ao seu ver não tinha nada de realmente útil nem apareceu no funeral. Ela não gostava nem um pouco dele, mas tinha curiosidade sobre o por quê de sua mãe  se casou com homem daquele, que não inspira confiança alguma.

            O seu pai, que não aparecia há anos, estava decidido a levá-la com ele, mas naqueles poucos momentos em que ela esteve com aquele cara, ela pensou que talvez seria melhor ficar ali. Ele a tratava como a filha preciosa dele, mas era estranho, incômodo. Na maioria das vezes, ela que tinha que cuidar dele como se ele fosse o adolescente, estava sempre rodeado de mulheres. Entretanto, mesmo ele sendo um estranho louco e inconsequente, havia um certo conforto em estar morando com ele.  Com o tempo, ela começou a compreender muitas coisas a respeito dele, mesmo ele sendo um playboy, talvez totalmente irresponsável, não havia dúvida que ele amava muito a mãe dela.


            Ryu é um fotografo, sua área é mais fotos sensuais. Ele tem uma história bem longa com a mãe de Nagisa. Ele a ama há mais tempo do que ela imagina.  Muitas coisas aconteceram na vida dele. Ele é de fato um mulherengo e irresponsável, mas com a morte de sua  amada esposa, ele tentou ao máximo ser um pai de verdade. Ryu não parecia estar sofrendo nem um pouco, mas isso estava bem longe da verdade. O que acontecia era só que ele não queria aceitar o que aconteceu, mas camuflava muito bem isso.

            Para ele, Nagisa era  o bem precioso que sua amada deixou. Ele estava disposto a protegê-la, mesmo que isso mudasse seu modo de vida.  Então, ele se tornou bem coruja e superprotetor, era quase um perseguidor, mas a apoiava muito, em tudo, até mesmo em sua primeira relação com um garoto. Às vezes, parecia que ele via a esposa na Nagisa, afinal, elas eram bem parecidas. Por isso, a protegia tanto, mas creio que me enganei: ele amava muito sua esposa, por isso que ele estava disposto a amar e proteger como sua própria filha o único tesouro de sua amada. Eu fico curiosa em saber como seria a vida deles. Ele parece não estar sofrendo, mas na verdade ele esconde muita dor dentro de si.

            Não é meu tipo de mangá, mas tem uma história bem interessante. Eu não leria novamente, mas se gostam desse tipo de gênero, fiquem à vontade. Já leram?

Gênero:  Comedia, Drama e Josie

Autor: Agawa yayoi
Mangá: 2Volumes 


Onde ler: 
0 comentário

Karin- Chibi Vampire Karin

           


                  Encontrei esse anime há muito tempo e o coloquei em minha lista. Esse ano finalmente eu o assisti. A sua produção não é das melhores, já que tem no mínimo uns 10 anos desde que foi lançando. O anime em si achei fofo, mas não fui cativada, pois focaram bem na parte comédia e deixaram pontas soltas, o que deixou a história meio sem graça. Eles não foram fieis ao mangá, seguiram uma linha bem diferente da história original,o que pode ter sido um erro. Mesmo assim, somos conquistados pela protagonista, o que pode nos induzir a assistir, mesmo o anime não sendo tão bom.
            Em compensação, o mangá é maravilhoso, a história flui de modo limpo, mais detalhado, aprofundado nos sentimentos dos personagens, o que com certeza me cativou por completo. Mais que isso: fiquei apaixonada, por isso, agora que terminei, tudo o que sinto é uma solidão terrível. Talvez você não vá gostar muito do anime, mas algo tenho certeza: o mangá não tem como não gostar, pois não segue uma historinha só pro lado do humor e engraçado, vai muito além disso. Ele foi lançado aqui no Brasil em 2012. Eu não tenho a coleção, mas meu irmão tem e por isso eu consegui ler todos os volumes. Esse título também tem uma novel de suspense, com a mesma protagonista. Sinceramente, parece bem interessante, acredito que eu gostaria muito de ler, se a oportunidade surgir.

            A história envolve uma jovem que é de uma família tradicional de vampiros ocidentais que há muitos anos imigraram para o Japão.  Entretanto, essa moça não é uma vampira comum. Diferentemente dos demais, que vagueiam apenas pela noite e bebem sangue para sobreviver, ela pode perfeitamente andar de dia, se alimenta com comidas humanas e a única coisa que a faz tão diferente dos humanos é seu segredo vergonhoso: ela produz sangue em excesso uma vez por mês, e, ao invés de sugar sangue, ela faz transfusão do seu na pessoa que é mordida. Por isso, ela pode viver normalmente no meio dos humanos, sendo assim, por ser ainda uma adolescente, ela frequenta a escola como qualquer um de sua idade.

Vivendo entre dois mundos, ela tem levado uma vida tranquila, sem muitas preocupações, até que um dia em que um novo aluno é apresentado para sala. Por alguma razão, quando ela o viu, seu sangue começou a aumentar o volume de modo rápido, mesmo estando no dia certo. Depois de acordar de um desmaio, ela fica desesperada por não entender por quê isso aconteceu. Toda vez que estava perto dele, seu sangue aumentava, ela pensou que estaria tudo bem desde que ficasse longe dele. Para se livrar do excesso de sangue, ela encontra alguém em um parque e o morde, só que ela não esperava era que, bem naquele momento, aquele garoto estranho a viu. E agora? Ele vai descobrir a identidade dela? Por que o sangue dela aumenta quando está próximo a ele?
(Atenção!! Daqui para frente pode conter spoiler.)

            Karin Maaka é uma vampira muito diferente dos demais, além de ser como já foi dito na sinopse, ela é uma garota muito doce, meiga e familiar. Por ter esses segredos e viver nessa condição, ela se sente muito solitária, pois tem que esconder sobre si para seus amigos e em sua casa não fica muito tempo com sua família, por eles viverem em horários diferentes.  A única pessoa que ela ainda pode contar é sua irmã mais nova, que ainda não despertou como vampira, então ainda come comida e acorda de manhã, embora não se adapte ao mundo dos humanos como ela. O problema que surgiu quando seu novo colega entrou na escola, logo foi descoberto. A verdade é que cada vampiro tem uma atração especial por um tipo de sangue e o seu colega tinha exatamente o tipo de sangue que a atraia, por isso seu sangue aumentava.

            O tipo de sangue que a atraia era de pessoas infelizes, ou seja, aquele garoto era tão infeliz que fazia o sangue dela aumentar, mas por que ele era tão infeliz? Era o que ela ficava se perguntado toda vez que o via. Karin pensou que desde que o evitasse, poderia conseguir controlar essa situação, só que além dele estar na mesma sala que a dela, para não facilitar nada, eles trabalhavam no mesmo lugar. Acabou que ambos estiveram em várias situações. Ela o evitando, ele descobrindo sobre sua descendência, mas, no final, ele disse que não contaria o segredo dela para ninguém.  Por isso, ele passou a ajudá-la e, para que ela pudesse ter uma vida sossegada ao lado do seu novo amigo e confidente, ela estava pensando em maneiras de o fazer feliz para que seu sangue não aumentasse, e foi assim que as coisas começaram a mudar.

            Kenta Usui é um estudante responsável, inteligente e um tanto maduro em algumas partes da vida e muito puro em outras. É um garoto lamentável, que sofreu muito desde criança por estar sempre sendo tratado como estorvo por sua avó e vendo sua mãe sendo maltratada por ela.  Agora ele e sua mãe estão começando uma vida nova nessa cidade, com intuito de serem livres de toda aquela situação miserável. Contudo, a situação deles não é muito boa. Sem dinheiro, vivendo em um apartamento velho,  ambos tem que trabalhar duro para se sustentar. Mesmo assim, não tem sido fácil, já que sua mãe não consegue parar em um emprego, o que a deixa angustiada e acaba o deixando também.


            Quando ele conheceu a Karin-chan, ele a achava uma garota estranha e que ela não gostava dele, o que incomodava e o fazia mais triste ainda, porque ele viveu a vida toda sendo rejeitado. Ver uma pessoa que mal o conhecia o rejeitando, era doloroso.  Só que logo tudo foi revelado (nem tudo). Ele compreendeu a situação dela  e exatamente por ele já ter vivido como viveu, ele decidiu guardar segredo e ajudá-la. Em troca disso, ela fazia marmitas no almoço dele e ele ficou muito feliz, o que era bom, pois assim controlava a sua infelicidade, embora não fosse o suficiente o tempo todo. Ele não fazia ideia o quanto ela sofria fisicamente por estar perto dele, mas de alguma forma, ambos passaram a cada dia se tornar a felicidade do outro, embora isso não apagasse o restante que fazia o Kenta-kun infeliz.

            Eu amo, amo esse dois. Eles começaram de um jeito atrapalhado, viraram amigos, demoraram a descobrir os sentimentos um pelo o outro. A primeira a dar conta foi a Karin, só que ela resolveu que, para felicidade dele, era melhor ela nunca contar, achando que seria suficiente poder apenas estar ao lado dele. Isso até uma garota estranha aparecer e ambos ficarem muito sociais. Não demorou muito, mas Kenta, que já desconfiava dos sentimentos dela, também logo se deu conta dos seus próprios. O que achei mais fascinante e fofo, foi que ele teve atitude, o que juro: não esperava de alguém tão puro quanto ele. Mesmo ela sendo uma vampira diferente, tem muitas coisas que podem impedir deles ficarem juntos, até mesmo o tempo.

            Henry Maaka e Carrera Maaka, os pais de Karin. No anime não conta a história deles, mas no mangá tem detalhes de como eles se casaram, que é muito fofa por sinal.  A preferência deles por sangue é bem peculiar. O pai gosta de sangue de pessoas orgulhosas e a mãe gosta de sangue de homens mentirosos.  Ambos amam muito seus filhos e se preocupam muito com a situação de Karin, que diferente deles, também não tem nenhum poder para poder se cuidar pela manhã. O senhor Henry é um verdadeiro pai coruja que morre de ciúmes da filha, muitas vezes ele fica se corroendo por não poder evitar a aproximação dela com o Kenta, mas fica grato por ele poder ajudá-la também.

            Anju Maaka, essa é a irmãzinha mais nova de Karin. É uma descendente de vampiro prodígio. Não despertou como vampira ainda, mas tem um poder em especial em que ela consegue invocar espíritos e o seu hobbie é pegar esses espíritos e colocar em suas bonecas. Ela tem um boneco favorito, Boogie, que ela anda sempre com ele. Além disso, ela consegue controlar morcegos e apagar a memória das pessoas. Ela acostumou seus morcegos com o sol para vigiar sua irmã, caso ela esteja correndo qualquer risco. Embora Anju também frequente a escola, só vai quando está nublado, pois não suporta muito o sol.


            Sua maior preocupação é que, quando despertar como vampira, não poderá mais  proteger sua irmã pelo dia. Ela tem um amor incondicional por Karin. Acho que mais que todos da casa, ela é quem mais fica preocupada e faria qualquer coisa pela felicidade de sua irmã. Por isso, ela resolveu  testar o Kenta, foi ela que permitiu com que ele descobrisse sobre a verdadeira identidade de sua irmã. E mesmo que fosse doloroso ver sua irmã sendo levada para longe por aquele garoto, desde que ele a fizesse feliz, ela suportaria. Um dos personagens que mais me cativou foi a Anju-chan. O amor dela pela irmã era a coisa mais linda que já vi entre duas pessoas que tem o mesmo sangue. Ela era uma criança de 13 anos e sua irmã tinha 16 anos, mas ela parecia muito mais adulta  e lógica, e embora não fosse de muitas palavras, mostrava seu amor com atos.

            Ren Maaka, o irmão mais velho de Karin. Sua preferência por sangue é de mulheres estressadas. Somente mulher, ele odeia ficar perto de homens. No anime conta uma história sobre ele ter sentido atração primeiro por sangue de um menino que parecia muito uma garota, por isso ele odeia homens. Entretanto, no mangá, não acontece nada disso, ele só não gosta mesmo de homens. Ele ama mulheres e as usa tanto para satisfazer sua sede quanto seus desejos sexuais, ou seja, ele é um verdadeiro playboy.


            Como irmão, da para ver que a Anju é o xodozinho dele, só que com a Karin, ele a trata muito diferente. Ele a trata com bastante indiferença, está sempre sendo rude e batendo nela. No começo, isso me incomodava bastante, até porque no anime ele  parecia ser mais cuidadoso com ela. Continuava dando os cascudos, mas era mais carinhoso e ciumento. No anime, parece que ele não da a mínima para ela e a trata como problema, só que o motivo dele ser indiferente com ela é por causa do trauma que ele tem da avó que é idêntica a Karin. Não é que ele não ame, meio que ele a evita um pouco por causa de seu trauma. No final do mangá, ele até diz a ela: "eu não bato em você porque não gosto de você". Sinceramente, não me agrada o jeito que ele é com a Karin.



            Elda Maaka é a avó  de Karin.  No mangá, conta a história de como ela conheceu seu esposo vampiro, que ela ama muito, mas no anime ele muda totalmente a história dela , acho que para justificar melhor o ódio dela por humanos. Eles inventam que ela foi apaixonada por um humano que a atraiu e por isso ela fica dizendo que humanos e vampiros não podem se relacionar. Entretanto, ela não suporta o Kenta, e fica tentando separar sua neta dele. No começo, esconderam a verdade sobre Karin para ela, só que ela acabou descobrindo. Ela não se da bem com sua nora por ciúmes mesmo,  mas tem um grande apreço por sua família. Ela é muito poderosa, até agora não entendi o tipo de sangue que ela gosta. Muitos vampiros a temem muito, o que e a maior carta da família Maaka.


            Fumio Usui é mãe do Kenta, finalmente  alguém da família dele.  Ela é uma mãe bem novinha, engravidou quando tinha 15 anos. Sua mãe enlouqueceu com isso e quis que ela abortasse e ela até pensava no começo em fazê-lo. Entretanto, quando ela viu a ultrassom, não conseguiu fazer isso com o seu bebê. Mesmo sua mãe não querendo, ela implorou para que poupasse a vida de seu filho. Depois disso, ela viveu no verdadeiro inferno, apanhava todos os dias, era humilhada pela sua severa mãe. E o pai do bebê simplesmente sumiu para aumentar ainda mais sua infelicidade.


            Ela fugiu de casa com seu filho, pois ela podia suportar ser maltratada por sua mãe, mas ver ela fazendo o mesmo com seu filho, ela não suportava. Então fugiu em busca de viver feliz em uma nova cidade. Só que sua mãe colocava detetives atrás deles para os procurar, no anime não conta basicamente nada desses detalhes. A senhora Fumio não consegue parar em um emprego, o que a deixa muito infeliz, tudo porque, por alguma razão, ela acaba sendo assediada pelos homens em seus trabalhos e outras por ser um pouco desastrada. Com o tempo, no mangá, muitas coisas são esclarecidas sobre o pai do Kenta-kun, que não os deixou porque quis, e ela encontra um emprego em uma escola católica de meninas, sendo assim, conseguiu manter o emprego. 

            No anime, os vilões são os caçadores que estão atrás da família Maaka, até mesmo um dos caçadores estuda na escola da Karin e acaba apaixonado por ela.  Porém, no  mangá, os vilões são os próprios vampiros, que  sabem tudo sobre o segredo do tipo de vampiro que a Karin é, e então eles vivem a buscar por muitos séculos por uma vampira como ela para seus próprios planos.  Então, eles passam a investigar a família Maaka, mandando uma meio-vampira para a cidade, Tachibana. Ela é filha de vampira com humano, totalmente exilada dos demais vampiros que odeiam o tipo dela. Ela pode viver durante o dia, e apenas uma vez ao mês tem necessidade de sugar sangue e se esconder do sol.
            No começo, fiquei bem irritada com ela, mas ela que colocou lenha na fogueira para o Kenta e a Karin definitivamente se confessarem. Por não saber o que os outros vampiros estavam procurando, ela não disse nada sobre a Karin para eles, mas depois, mesmo a Karin sendo tão boa com ela e a família dela, tendo a deixado morar no território deles, ela os traiu. Fiquei com muita raiva, foi muito triste ver nossa Chibizinha mais kawaii do mundo sofrendo tanto, e saber ainda mais qual seria o seu destino era muito mais doloroso.

            Sinceramente, o final desse mangá foi lindo demais  e triste na mesma medida, só que foi maravilhoso mesmo assim. O final do anime foi estranho e totalmente diferente do mangá. Por mais que seja maravilhoso ver os personagens que gostamos ganhando vida, tenho que dizer que o mangá é MIL vez melhor que o anime,  principalmente pela diferença de como a história segue. Só que o anime não é ruim, mas acredito que nem todo mundo irá gostar dele, mas já acho que todo mundo gostaria do mangá. E aí? Já leram? O que acharam?

Gênero:  Comedia, Drama, Sobrenatural
Autor: Yuna Kagesaki

Anime:   24 episódio 

Mangá:   14 Volumes 

0 comentário

Playlist – Trilha sonora de Anime


      Cada anime tem suas próprias trilhas sonoras e acredite: uma é mais linda que a outra. Foi o que me levou a me apaixonar por j-pop, j-rock e muitos outros estilos e me abriu o caminho para conhecer muitos outros cantores que, hoje em dia, não saem mais da minha playlist. Hoje, resolvi compartilhar com vocês algumas músicas de animes que eu amo. Muitas das que eu gosto já passaram por aqui com sua própria playlist, como: Naruto Shippuden, One piece e Anna Tsuchiya (músicas do anime nana). Então, dessa vez, irei compartilhar algumas músicas de animes aleatórios que gosto muito.



            “Eternal Snow”, do anime Full Moon wo sagashite. Essa canção é eternamente marcante. No anime, é cantada pela personagem principal. A música tinha sido escrita pelo seu pai, que escreveu para sua mãe e ambos haviam falecido. Então, acabou virando a música de amor da nossa pequena Mizuki, que não desistiu do seu sonho, no intuído de um dia reencontrar o seu amor. Só que acabou por ser um amor triste, o que faz essa música mais triste ainda. “Mantenha-me apertado como se fosse me quebrar, mesmo na tempestade de neve, no inverno, para eu não sentir frio. Eu sinto sua falta. Toda vez que penso em você, fico sozinha abraçando esse cachecol que ainda não terminei. Se existe a neve que cai eternamente, será que conseguirei esconder esse sentimento de você?”


            “Inori~ you raise me up”, do anime Romeo x Juliet. Vendo o nome do anime, já da para ter uma ideia que aqui, definitivamente, está um amor triste. Essa canção tem uma melodia que me toca de uma forma que nem sei explicar. Sempre me emociona muito, ainda mais ela sendo trilha sonora de um amor como esse. “Agora, até mesmo nas tempestades ferozes da noite, até mesmo quando não vejo você, eu caminho em sua direção. Os ventos que cruzam os oceanos, enviem as noticias, dizendo que as preces cruzarão a eternidade.”

            “Kaze no machi e", do anime Tsubasa Chronicles. Eu me apaixonei por essa canção há muito tempo. Sua melodia e sua letra intensa, cantada por uma voz espetacular, me conquistaram. “A voz dessa canção é tão alta e triste que afetou todo o meu coração. E não entendi o significado da felicidade enquanto dormia a noite.”

            “God Knows”, do anime The Melancholy of Haruhi Suzumiya. Na verdade, nunca vi o anime, achei por acaso a personagem cantado e me apaixonei pela sua letra e o estilo. “É por isso que eu vou te seguir, não importa quão agonizante seja isso. Mesmo pela escuridão deste mundo, você certamente brilhará. Eu vou superar o limite do futuro, minhas fraquezas não vão estilhaçar meu espírito. Meu caminho se cruza com o seu, que Deus abençoe nós dois...”

            “Black Diamond”, do anime Shugo chara. Eu amo a melodia dessa música com violino.  No anime é cantado pela personagem Utau e quem toca o violino é o meu crush da Live Ikuto. "O que você canta? Em que você acredita? Você apenas cairá se continuar hesitando. Livre de tudo no céu da noite.”

            “Ichiban no takaramono”, do anime Angel Beats. Originalmente, parece que ela é cantada pela cantora Yui, só que eu gostei muito de ver a cantora Lisa cantá-la. Essa música carrega uma letra tão profunda e linda, que é impossível não se emocionar. Acho que ela foi escrita especialmente para o anime, pois tem tudo a ver com os acontecimentos dele. Já falei desse anime (clique aqui para ler). “Irei para qualquer lugar, junto as coisas que aprendi aqui. Lhe mostrarei que posso fazer o sonho da felicidade tornar-se real. Mesmo separada de você, não importa o quão distante, eu irei viver em um novo amanhecer.”



            “My song”, do anime Angel Beats. Essa canção, sua letra é tão maravilhosa. Na verdade, as músicas desse anime são praticamente todas lindas demais.  Ela fala coisas que sinto ou já senti. Eu fui conquistada. “Tendo Sonhos que você deseja realizar e os sonhos que você não pode alcança,  mas mesmo sendo sonhos que não aconteceram torna-se esperança para continuar a viver. Há uma porta, eu estou esperando... Então irei me segurar. Para você que está deprimido mais uma vez canto essa musica para te dar forças para lutar novamente... As lagrimas que deixei cair me dizem isso... mesmo nesse mundo tão sujo e feio, quero lhe agradecer pelo milagre de ter te conhecido.”

            “Akatsuki no hana”, do anime Akatsuki no yona. É um dos meus mais novos animes favoritos, já falei dele aqui (clique). Essa música conta basicamente a história da nossa princesa do anime. Eu fico arrepiada, porque a amo e o que diz é como sinto que eu também estou me tornando. Então, como não vou amar essa música? “Uma donzela, queimando como o alvorecer. Sempre sendo ignorante, sem noção e protegida. Eu finalmente despojei desse papel de ser uma 'princesa'. Agora, eu vou gostar de mim um pouco mais. A cor que vibra do céu ao amanhecer me fez mais forte e mais digna. Eu vou olhar para o céu brilhante e me tornar alguém que possa ser motivo de orgulho. Eu vou continuar a proteger e amar, e nunca deixar que nada seja tirado de mim.”


            “Nee”, do anime Hiiro no Kakera, é cantado pela cantora Fujita Maiko. Gosto muito das músicas dela, inclusive, tem outra desse mesmo anime que sou apaixonada, mas vai aparecer em outra playlist. Ouvir essa música me afeta muito. Bate uma saudade desse anime, chega dói. A letra tem tudo a ver com os personagens, então eu não consigo não ouvir e não lembrar. “Por que você é sempre o único a estar aqui pra me apoiar? E cada vez que o faz, eu me apaixono mais profundamente por você. Ei, não importa o que eu tenha que fazer, quero ver você amar alguém, realmente dói. Se me sinto feliz ou chateada é sempre por sua causa.”

            “Michiyuki”, do anime Loveless. Deus sabe o quanto amo essa música. Tanto por lembrar desse anime, que é o único yaoi que consigo ver, quanto por ela ser tão dolorosamente triste. Sim, eu sou atraída por músicas tristes, afinal, já perceberam quão linda as letras tristes são? “Mesmo que você me abrace até que isso se torne sufocante, nós jamais nos tornaremos um só. Num lugar mais profundo que a gentileza, nos tocamos é apenas dor. Por favor, nos amarre um ao outro. Nós não sonharemos mais unir as mãos no incerto caminho em direção ao cruel amanhecer.”


            “Fuyu Sora”, do anime kuroshitsuji. Essa música foi amor à primeira escutada. Uma melodia triste, como eu poderia não me atrair?  “Por que o amor é sempre tão avassalador que deixa cicatrizes que não podem ser curadas. Eu não preciso de lágrimas. Eu não preciso do presente, porque nunca vamos acabar. Nós nos conhecemos e ficamos juntos. Esta cidade ainda se lembra de você e eu.”

            “Aishiteru”, do anime Natsume Yuujichou. Essa música é tão meiga, tão amorzinho, tão doce e cheia de amor, que dá vontade de ouvir eternamente. "Eu te amo, eu te amo até o fim do mundo. Enquanto sorrindo tolamente, tente dizer isso. 'Eu te amo', embora soe como uma coisa simples, eu não posso fazê-lo. Eu pedi ao céu para ser capaz de amar corretamente.”
            Essas são algumas das músicas de animes que mais gosto, que guardo com carinho na minha playlist. As trilhas sonoras de animes são realmente maravilhosas, não têm letras bobas, longe disso: elas fazem todo um conjunto para causar momentos mais incríveis nos animes, muitas vezes falam exatamente sobre o que os personagem sentem. Quantas vezes não achei alguma que  parecia que alguém tinha analisado meu coração e escrito? Espero que tenham gostado e também quero saber quais são as músicas favoritas de vocês de animes.



2 comentários

Doramas que eu quero ver

           
       
            Cada dia que passa, parece estar mais difícil assistir a doramas e as demais coisas. Entretanto, minhas listas só estão aumentando. Hoje, quero compartilhar com vocês uns dos doramas que estão em minha lista “de doramas que eu quero ver”. Atualmente, estou entre 76 doramas listados, tirando os que ainda não coloquei na lista.  Alguns eu já tinha começado a ver algum tempo, mas aconteceu algo, parei, então voltou para lista para não ser esquecido.

            5-ji Kara 9-ji Made : eu quase pirei quando achei esse dorama. Tenho acompanhado o mangá  e estava simplesmente amando, então quando descobri sobre o dorama, pirei, porque um dos meus atores favoritos japoneses, Tomohisa Yamashita, estava atuando nele. Sério, foi muito para o meu kokoro. Preciso arrumar tempo para ontem, ele está no topo da lista.  Esse enredo conta a história de uma professora de inglês independe que acaba virando prometida de um monge budista.


            Prince of Wolf:  esse é um dorama Taiwan. Eu não tenho muita ideia sobre ele, mas só pela sua sinopse eu falei: preciso assistir a esse dorama. Este enredo conta a história de um menino que cresceu sendo cuidado por lobos e depois de anos foi encontrado por um fotógrafa, a qual ele ficou encantado e resolve seguir. Agora, ele tem que aprender a viver como humano.


            Beautiful Gong Shim : confesso: eu comecei a vê-lo quando estava lançando, mas sou muito sem paciência, resolvi esperar lançar tudo para voltar a assistir. Meu interesse maior nele foi ainda por causa  do ator principal. Ele sempre fez papeis secundários, eu não via a hora dele ser a estrela do pedaço. Este enredo conta a história de duas irmãs e dois homens. A irmã mais velha tem tudo, inclusive beleza, e a mais nova não tem nada além de um bom coração. Um dos homens vive em um pequeno apartamento, na cobertura da casa das irmãs, e o outro é filho de uma família rica. Agora, estão em um quadrado amoroso.
           
My Amazing Boyfriend: esse dorama, estou louca para vê-lo. Ele é a versão chinesa de  “My love from another star”.  O dorama coreano foi maravilhoso e ouvi dizer que esse também é muito bom. Estou muito curiosa para vê-lo. Este enredo conta a história de um homem que veio do espaço e agora, sem poder ir embora, ele vive pela Terra. Na vida no tempo atual, ele acaba encontrado o amor em uma atriz meio louca.  A história anda de forma diferente do coreano, pelo que percebi.


            Moon Lovers - Scarlet Heart: Goryeo: esse é um dorama coreano de época. Estou com muita vontade de ver, pois tem um ator que tenho estimado  bastante, ultimamente.  E, minha gente, é harém inverso e muitas pessoas falaram o quanto foi maravilhoso.  O enredo conta a história de uma menina do século XXI que, após um eclipse lunar, é teletransportada para o passado. Agora, ela tem que lutar para se habituar a essa "nova tão velha era" e achar como voltar para o seu próprio tempo.


            Sukina Hito ga iru koto:  é um dorama que não tenho muito conhecimento, confesso. Logo de cara, a verdade é que eu achei a sinopse interessante, então tenho esperado que seja de fato muito bom.  Esse enredo conta a história de uma moça que acaba por ser despedida do seu emprego e, por ventura, encontra seu primeiro amor do secundário que  oferece um emprego em um restaurante e moradia. Ela aceita, o que ela não sabe é que lá mora mais dois irmãos, além dele. Enfim, deve rolar um lance amoroso aí. É japonês, estou esperando ser surpreendida.


            De 76 doramas, falei de 6, já é alguma coisa. Também têm vários live-actions na agulha para assistir. Estou enlouquecendo sem tempo para vê-los logo.  Esses últimos anos têm saído muitos live-actions bons e doramas japoneses também. Espero que tenham gostado. Se já assistiram, queria saber o que acharam dele e, se tem algum anime para me indicar, ficaria realmente feliz em  saber.
3 comentários

Inspiring Generation (k-drama)


              Quando esse dorama foi lançado, fiquei muito empolgada, afinal, já fazia uma vida que o ator Kim Hyun Joong não aparecia em nenhum outro dorama. Por ser um dos primeiro atores que  eu conheci, meio que tinha muito carinho por ele. Entretanto, minha empolgação acabou a partir do momento em que comecei a assistir. Primeiro que  o personagem dele não me conquistou de jeito algum. Não sei, talvez o que gostava dele era a imagem que ele passava nos personagens anteriores e aí não consegui gostar nem um pouco do personagem atual dele.
            Provavelmente, esse era só um dorama que não era o meu tipo, por isso que não gostei. Foi por causa dele que eu passei a não suportar uma certa atriz em particular, Jin Se Yun. Eu poderia dizer que não gostava da personagem dela, mas seria mentira, afinal, não importa a  personagem que ela faz, eu continuo não suportando-a e já deixei de ver vários doramas por causa dela. Motivo? Também queria saber.  Outro, foi que eu shippei completamente errado. Isso acabou comigo e me fez perder totalmente interesse no dorama, afinal,  esse relacionamento que eu esperava era o que eu acreditava que ia dar um up na história toda.


            A produção é bem diferente e, como sempre, muito bem feita. O elenco também tinha muitos e muitos atores bons. A história é muito boa. Na verdade, não é ruim, só não andou como eu esperava, o que me levou a não agostar. Eu demorei mais do que o normal para terminar este dorama, por ele não ter me empolgado nem um pouco no final. Não fui fisgada mesmo, ainda o terminei bem brava. Esse dorama é baseado na série de quadrinhos "Age of feeling", de Bang Hak Ki.
            Uma história começa na época de 1930, em Xangai, China. Contém  amor, amizade, patriotismo e muita violência. Mostrando também os conflitos entre os principais países orientais: China, Coreia e Japão. Nessa época, era muito difícil para as pessoas viverem, pois tinha muita fome, as mulheres eram severamente maltratadas  e os gangster e organizações de assassinos secretos eram quem mandava no pedaço. Então, um lutador se levanta e tenta mudar essa realidade para proteger sua família e sua terra, que ama com toda sua força.

            Shin Jung Tae  é um homem que já passou muitas coisas. Quando tinha 15 anos, viu seu pai ser morto por um soldado japonês  em uma ocupação japonesa em Xangai e acabou por ser falsamente acusado do crime. Sem poder buscar qualquer justiça, ele vive seus dias fazendo justiça nas ruas de Xangai, usando seus punhos. E assim se tornou um dos melhores lutadores e agora usa sua habilidade para proteger quem ama.  Quando ainda era adolescente, conheceu  uma garota, a qual acabou por se tornar um grande amigo. Entretanto, algo deu errado  e eles nunca mais se viram.


            Gaya Teguchi, minha favorita dessa história, acho uma pena terem ressaltado tão pouco sobre ela.  Quando mais nova, fazia de tudo para sobreviver, até mesmo roubar. Ela vivia somente com seu pai. Um dia, alguém assassina seu pai, sem entender nada, sem saber para onde ir, algumas pessoas dizem que ela é neta do presidente de uma organização mafiosa japonesa (yakuza). E ela vai embora daquele lugar, deixando para trás apenas um amigo que estimava, Shin Jung Tae. Agora, ela tem que se tornar a sucessora perfeita e começa desde cedo com toda a aprendizagem. Até que um dia, volta para Xangai uma mulher totalmente diferente de antigamente, habilidosa e friamente calculista.  O que ela não sabia é que um dos seus inimigos seria seu único amigo daquele lugar e talvez o primeiro amor.

            Kim Ok Ryeon,  ela é alguém que eu queria pular, mas por ser uma das principais, não posso deixar passar, já que ela é muito importante. Essa moça conhece Shin Jung Tae  desde que eram muito novos e ela sempre foi apaixonada por ele. Sim, rolava alguma coisa entre eles,  afinal, Ok Ryeon era uma das pessoas que mais o apoiava e o ajudava com muitas coisas, até mesmo cuidar da irmãzinha doente dele. Shin Jung Tae  sumiu por um tempo, ela foi para lugares em que poderia ser possível encontrá-lo.

            Não tenho muito a dizer sobre esse dorama. Para ser sincera, como assisti há algum tempo e eu não gostei dele, acabei apagando muitas coisas sobre ele da minha memória. Tem outros personagens interessantes também. Os conflitos dos chineses, coreanos e japoneses são bem interessantes.  Muita ação, de certa forma, e pouco de romance para complementar.  Como disse, não é ruim, eu não gostei por motivos particulares. Também, se está esperando muito romance, esquece, vai ver que é por isso que não gostei dele, pois esperava muito romance e acabou sendo neutro. Nem foi para o lado que eu queria. Já assistiram?

Gênero:  Romance, Drama, ação

Dorama:   24 episódio 

0 comentário

Seduction

       

         Aquele momento em que você para e pensar “por que eu li esse maldito mangá?” A curiosidade pode nos levar a caminhos que não tem mais volta. Eu nem consigo me lembrar o que me levou a ler, entretanto, eu já sabia que eu não ia saber lidar com ele a partir do momento que percebi do que se tratava. Eu tentei parar, juro que tentei, mas eu não pude conter a vontade de saber onde tudo isso ia parar. O que senti enquanto lia isso? Raiva! Frustração!
            Esse é um Manhwa ( mangá coreano), um webcomic (Webtoon). São histórias em quadrinhos coloridos, publicados exclusivamente na internet. Esse foi dividido em 38 capítulos. Esses quadrinhos todos coloridos podem ser divertidos, mas algumas das vezes acho muito confuso. Principalmente esse, teve muitas coisas que eu não conseguia entender. Tem um conteúdo muito pesado e obscuro. Contém muitas cenas de sexo e problemas familiares sérios, então não é apropriado para menos de 18 anos.
            Esse enredo envolve uma família que vivia feliz. Era pelo menos o que eles acreditavam. Essa família se consistia em um casal e uma cunhada, irmã mais nova da esposa. Ela era uma criança quando eles se conheceram. Quando o casal ainda estava se conhecendo, essa criança estava sempre junto. Provavelmente o homem sempre se perguntava: por que  essa criança sempre tinha que estar junto?! Só que ele nunca perguntou. E agora, finalmente, ele se casou com a mulher que ama. Durante esses anos, sempre os três juntos, ele nem havia percebido que algo havia mudado.


            Aquela criança havia virado uma mulher linda e muito sexy, talvez ele nunca tivesse percebido, se não fosse por causa daquele maldito dia em que ele abriu a porta de entrada e viu um corpo nu e molhado. Foi naquele momento que ele percebeu que aquela criança que ele costumava carregar em seus ombros havia virado uma mulher. Só que isso poderia passar. Embora  houvesse um certo desconforto no ar, aquilo poderia ser esquecido. Poderia, se ele não tivesse cometido um pequeno engano ao confundir ela por sua esposa e apalpar os seios dela quando dormia em uma viagem de férias. Se ela não visse, então tudo bem, ele poderia esquecer do constrangimento daquela noite, entretanto, as coisa começaram ficar mais estranhas quando, cada dia mais, sua cunhada parecia estar mais sedutora. Aquilo era propositalmente ou era apenas sua mente que percebeu o que não deveria ter percebido, fazendo-o ver? E foi assim que o pesadelo começou.
(Atenção!! Daqui para frente poder conter spoiler.)



            Chang Sik  é o cara que só de pensar nele. Eu tenho vontade de jogá-lo de um prédio. Deixando minha raiva de lado, ele é um cara  gentil,  calmo e parece se adequar a qualquer tipo de ambiente.  Quando conheceu sua esposa, ele ficou encantado com ela, mesmo que ela não falasse muito e eles não tivessem tido momentos normais de casais por sempre estarem acompanhados de sua pequena cunhada. Ele aceitava a situação e nunca tentou  enxergar de fato a situação ali. No meu ponto de vista, ele só a via superficialmente, nunca tentou olhar mais a fundo.


            Ele parecia amar sua esposa, entretanto, o que realmente eles tinham? Ele a conhecia de verdade? No fundo, será que ele não sentia que havia algo errado? Então por que ele deixou passar? Aparentemente, talvez realmente não faltasse nada. Quem está de fora é muito fácil dizer o que pensa, mas só quem está lá dentro sabe realmente como é. Diante aquela garota linda, que está a seduzi-lo, não era imaginação, era mais real do que ele imaginava. Como se não bastasse um primeiro erro acidental, os erros continuaram acontecendo, até ao ponto de não serem mais acidentais, serem escolha. Ele se deixou levar pelo desejo.


            Só que o mesmo tanto de prazer que sentia cada vez  que  possuía sua cunhada, sua consciência que ainda existia o fazia sentir dor. Ele sentia dor ao ponto de achar que ia morrer. Mesmo assim, ele não conseguia parar aquilo. Foi assim que um homem que parecia ser bom e amar sua esposa se autodestruiu. Quanto eu via esse cara fazendo essas coisas e sofrendo por estar fazendo, eu ficava pesando: por que você está fazendo isso? A única coisa que você sente é prazer e logo depois vem a infelicidade arrasadora. Não havia felicidade e, pelo que eu via, nem satisfação. Ele ficou escravo dos seus próprios desejos e não suportava a culpa por trair a sua mulher.

            Sae Mi, outra pessoa que pensei o quanto queria derrubá-la de uma prédio. Não consigo definir de quem mais tenho raiva e desprezo. Ela é de fato atraente, não consigo dizer sua qualidade e características, porque tudo que consigo ver é o quanto ela foi descarada.  A verdade é que ela sempre foi apaixonada pelo seu cunhado, desde quando o viu quando ainda era apenas uma criança. Ela que induzia sua irmã a ir vê-lo e, se não fosse por causa dela, talvez hoje eles nem fosse casados. No começo, ela apenas estava se contendo, pois ela sabia muito bem que ele só tinha olhos para sua irmã. Entretanto, depois que ela viu ele a apalpando enquanto dormia, aquilo despertou o desejo de tentar.


            Ela o provocou de todas as formas possíveis, só que ele não dava tanta bandeira. Isso a frustrou um pouco, entretanto, um dia, ele cometeu um deslize e ela se deixou levar por um segundo. Depois, seu corpo se paralisou e ela não conseguiu evitar. Saber que aquele momento só aconteceu porque foi confundida pela sua irmã foi tão mais doloroso do que o sexo violento em sua primeira vez naquele momento. Poderia ter sido algo maravilhoso, mas ela ficou em cacos, tanto pela culpa quanto por saber que, na verdade, não era com ela que ele estava fazendo. Sae Mi poderia ter parado depois daquilo, mas ela não se contentou, ela queria ser abraçada sendo ela mesma, então não permitiu que aquele pesadelo fosse esquecido. 


“Eu estava arrependida? Não. Eu sou apenas infeliz e triste.”
            E foi aí que sua autodestruição também começou. Não importava quantas vezes eles fizessem, não havia felicidade ali, só havia prazer e peso na consciência porque, até então, ela tinha uma. Mesmo que ela soubesse que o que estava fazendo era tão errado, Sae Mi continuava indo atrás e se destruindo. Se ela soubesse o que sua irmã fez por ela, será que ela seria capaz de fazer algo como isso? Ela poderia ter tido uma vida normal, ao lado de um garoto que a amava, respeitava e a tratava como se fosse preciosa. Eu, sinceramente, não consigo engolir nem um dos dois. Ambos são tão cretinos e culpados. Eu não sei se entendo o motivo dela ter continuado. O motivo dos dois terem continuado, talvez seja como eu, quando comecei a ler esse mangá e percebi que não devia o ler, mas eu não resisti a curiosidade de saber onde isso ia dar. Talvez eles tivessem curiosos para saber onde toda essa loucura iria os levar.

            Jung Yoo mi, essa mulher é lamentável, não só por ter sido traída pelas duas pessoas que ela mais amava, mas por toda sua história de vida, por tudo que ela teve que passar muito antes de tudo isso e tudo que ela teve que suportar durante tudo isso. Ela é uma pessoa um tanto vazia, ela fechou dentro de si vários sentimentos para poder sobreviver a essa vida maldita. Quando era adolescente, tinha que cuidar de sua mãe doente e de sua irmãzinha. Sua mãe não podia trabalhar e por ela ser de menor, também não poderia fazer muita coisa. Então, não estavam conseguindo pagar o aluguel e o locatário estava querendo por elas para fora. Ela pensou em muitas soluções possíveis para isso e chegou a uma conclusão: quitar sua divida e mais alguns meses pagando com a única coisa que ela teria de valor, e foi assim que ela perdeu tudo, sua virgindade e dignidade para um velho nojento de 70 anos.

            Fez isso em momento de desespero, para poder proteger sua família, em especial a sua irmã menor. Depois disso, ela selou tudo dentro de si, gravou apenas a dor que sentiu aquele dia para continuar lutando para nunca mais ter que passar por tal situação.  Quando conheceu seu esposo, ela não tinha qualquer intenção com aquele homem. Se não fosse sua irmã insistir tanto em vê-lo, ela nunca teria tido qualquer coisa a ver com ele, mas também nunca teria descoberto que nem tudo é dor. Foi com ele que ela aprendeu que a vida pode ser prazerosa também. Entretanto, ela nunca permitiu ninguém olhar o que ela tinha dentro de si, quanta dor ela carregava, o quanto seus dias eram vazios. Mesmo tendo uma família “feliz”, Jung Yoo mi nunca era ela mesma.

            “Quando olho para passado, sempre houve uma razão. É por isso que a vida era fácil. Uma razão para se afastar dele... uma razão para não aceitar esse modo de vida... sempre havia uma razão. É por isso que a vida era fácil. Eu sabia onde estavam os problemas e por isso  tinha que corrigi-los... mas... se algo acontecer para a vida que você pensou que era fácil...?”
            De certa forma, mesmo casada com um homem bom, nada havia mudado de fato dentro dela. Faltava algo, talvez alguém que tivesse realmente disposto a conhecer ela de verdade. Foi aí que ela conheceu aquele homem, que tinha os mesmos gostos. Sim, ela se sentiu bem na companhia dele, e talvez algo entre eles tivesse realmente acontecendo. Só que aquele beijo roubado a acordou a fez lembrar daquele dia em que tudo dentro dela parou, e ela não deixou ir além daquilo. De alguma forma, aquele dia serviu para despertá-la e lembrar que tinha uma marido maravilhoso e como ela devia dar uma chance de tentar ser melhor em deixá-lo entrar de verdade em sua vida, afinal, não era tarde para começar. Era o que ela pensava, então tentou, tentou todos os dias.


            “Naquela noite... eu... pela primeira vez... ao ponto onde eu queria morrer. Eu sentia solidão.”
            Já nadou contra corrente? Você dar o melhor de você, se entregar de corpo e alma por algo, mas não importa o quanto você continue fazendo, não é suficiente e aí você termina em um completo vazio. Quando ela se juntou a seu esposo, foi pelo bem de sua irmã. Sempre foi pelo bem de alguém que ela estava fazendo algo, nunca por ela mesma. Pela primeira vez, ela decidiu fazer algo por ela, amar seu esposo, estar com ele por vontade própria. Eu desejei inúmeras vezes que ela descobrisse logo, pois não suportava mais vê-la tentando tanto enquanto eles faziam aquelas coisas nas costas dela. E então, ela viu sua vida fácil se destruindo em pedaços. Ela mal havia encontrado uma razão para viver por si mesma, depois de sofrer tanto. Agora ela que estava lutando, se deparou com a situação mais destruidora que uma mulher que ama pode passar, mas ainda pior, vocês devem entender bem o porquê. Sem dizer qualquer coisa, ela apenas quis sair dali. Foi quando ela se deu conta o quão sozinha ela era, não tinha amigos, não tinha ninguém para contar em uma noite tenebrosa como essa.


            “Minha vida se foi. Eu tinha morrido...agora, a única coisa que resta é tirar um pouco do peso de meus amados então agora eu tenho que viver olhando para frente. E nunca enfrentar uns aos outros novamente, como mortos...”
            Ela tentou amortecer  aquela dor trazendo outras dores. Dia pós dias, até que aquilo não levava a lugar nenhum. Então, sem dizer nem uma palavra, ela tentou mais uma vez. Ela disse que, pelas pessoas que ela amava, ela nunca mais ia olhar para trás, ia apenas seguir em frente, como se estivesse morta. Quando terminei esse mangá, me veio em mente um versículo Bíblico que fala que o adultério leva a morte. Ele com certeza não estava falando da morte física, acho que esse mangá deu um verdadeiro exemplo disso, afinal, como os personagens mesmo disseram, no final eles estavam mortos.
            Eu acho que o conteúdo não é ruim. Eu acho que escrevi demais, pois tinha que por tudo para fora. Quando digo que não devo ler esse tipo de coisa, estou falando sério. Eu entro na história, então isso não me faz nem um pouco bem. Só que, por outro lado, esse é um mangá bem intenso e é de fato bom, não há dúvidas para mim. Contudo, irei tomar mais cuidado na próxima. Não quero mais ler nada desse estilo nunca mais, pois não gosto do gosto amargo que ele me deixou nem dessa sensação horrível. Se sabem lidar com esse tipo de coisa, boa leitura. 

Gênero:  Drama, Ecchi, psicológico e  Slice of life

Autor: Ewha
Mangá: 38 capítulos 


Onde ler: 
0 comentário