Taiyou no Uta (J-Live-action )



         Conheci esse live-action através da música “Goodbye Days”, cantada pela cantora Yui, que também atuou como a personagem principal. Essa música, que nos toca no fundo da alma, pode ser tão linda quanto dolorosa. Não encontrei em que ano o mangá foi lançando, porém, conseguimos o encontrar para ler. Apesar de ter apenas um capítulo, vocês não têm noção do quanto é lindo e avassalador. Pelo mesmo foi assim para mim, muito doloroso. A ilustração é boa. A história, por mais curta que seja, é totalmente completa.


            Essa linda história teve sua adaptação em live-action em 2007. Apesar da qualidade não se comparar com as de hoje em dia, ainda assim foi muito bem-produzido.  Gosto muito do elenco, principalmente a cantora e atriz Yui, que atua como personagem principal e tem uma voz muito linda. Em breve, falarei dela. Descobri que teve adaptação em dorama, mas não encontrei muitos detalhes, apenas que tem 10 episódios. Para mim, esse filme foi muito marcante. Não consigo descrever o quão profundo ele é.
            A história envolve uma jovem que sofre de uma doença genética rara, chamada XP (xeroderma pigmentoso), que a impede de ter contato com o sol, se tornando impossível sair de casa durante o dia. No entanto, o seu sonho é ser uma cantora e, durante a noite, o único momento em que pode sair de casa, ela vai cantar, nas praças, as suas composições. Durante essa rotina da sua vida, um dia, enquanto olhava de sua janela o amanhecer, acaba se atraindo por um surfista, que sempre esperava seus colegas no ponto de ônibus em frente à sua casa. Um dia, quando estava cantando na praça, o vê passar. Então, cria coragem e o aborda. Ao primeiro momento, ele provavelmente achou que ela era uma garota louca. Porém, ambos mal sabiam as mudanças que esse inevitável encontro iria causar na vida daquele que ama o sol e daquela que não pode sequer sonhar com o prazer de entender o mesmo sentimento. E agora? Como essa história se desenvolverá?


            Kaoru Amane é uma adolescente que nunca teve uma vida normal, desde que nasceu. Devido à sua doença, nunca frequentou uma escola, nunca pode sair durante o dia e teve que crescer convivendo com o fato de que a sua expectativa de vida era muito baixa.  Porém, seus pais sempre fizeram de tudo para que ela pudesse ter uma vida mais saudável possível. Como não poderia sair durante o dia, ao menos à noite a deixavam livre para andar por onde quisesse. Embora sua condição lhe impedisse de fazer amigos, ela ainda tinha uma amiga que sempre a visitava quando possível e lhe contava sobre o mundo que ela não era capaz de ver. Com essa vida monótona, ela se apegou à uma das coisas que virou sua paixão, a música, aprendendo a tocar vilão sozinha. Ela mesmo compõe suas próprias canções. Assim, surgiu o sonho de querer que suas músicas fossem conhecidas pelo mundo. No entanto, como fazer um sonho como esse ser realizado na sua atual condição de vida?


            Koji Fujishiro é um adolescente, estudante do ensino médio, que ama surfar, embora não seja bom nisso. Mesmo que pareça tão vivaz, até ele carrega seus próprios temores sobre a vida. Toda manhã, antes da escola, ele vai praticar o seu esporte favorito, em que tem contato com o mar. O sol bronzeia a sua pele. Um dia, quando voltava para casa, é abordado por um estranha que, ao primeiro impacto, o assustou por ser tão direta, entre outras situações. Antes que pudesse reagir, acabou perdendo a oportunidade. Porém, um dia, a encontrou mais uma vez, e foi a oportunidade de se conhecerem. Ao levá-la para um passeio e observá-la, acaba se apaixonando. Porém, ele não fazia ideia que essa aproximação seria tão gratificante quanto dolorosa.


            De uma forma muito repentina, ele acabou descobrindo a situação da garota. Isso foi avassalador e ainda mais difícil, porque, após ele descobrir, ela se fechou no mundo dela, com medo do julgamento dele sobre essa vida totalmente sem expectativa. Contudo, ainda assim, ele queria fazer algo por ela. Pela primeira vez, ele sentiu necessidade de correr atrás e encontrar algo que realmente fosse bom. Então, para realizar o sonho dela, Koji passa a trabalhar nas férias de verão para pagar uma gravação de CD para a garota. Custou convencê-la, mas, juntando a família, tudo poderia se tornar possível. E agora? Como se desenvolverá esse relacionamento? Eles conseguirão fazer com que o sonho dessa garota se torne realidade?
            Esse filme é muito lindo e conseguimos muitas lições de vida através dele, apesar de também nos fazer sofrer, é claro. Eu gosto muito dele e indico a todos vocês. Acredito ser um clássico no mundo dos live-actions japoneses. Leiam o mangá também, é rapidinho. INDICADÍSSIMO!!



Gênero:   Romance, Drama, Josie
Mangá:   1 Volume 
Dorama:   10 episódios 
Live-action:   1
0 comentário

Hyakujuu no Ou ni Tsugu!



          Se você curte romance entre homens mais velhos e garotas mais novas, provavelmente vai amar esse mangá. Eu confesso que, na vida real, não me agrada, mas em história eu gosto. Não sei explicar o motivo, mas é isso. Não sei a data de lançamento. Gosto muito da ilustração e da história, por isso, acho uma pena que ele seja tão curtinho.  Além disso, tem um oneshot maravilhoso, que eu gostaria muito que fosse mais completo. Acho os personagens muito charmosos e cativantes também.
            O enredo envolve uma estudante do ensino médio que é muito popular, tanto por sua beleza quanto sua compostura. Um dia, acaba pegando em flagrante um homem suspeito espionando as meninas da escola, no entanto, ao tirar satisfação, ele acaba se apresentando como um caçador de talentos. Ele a convence de que seria perfeita para trabalhar como modelo. No mesmo dia, mais tarde, ao chegar em casa, ele está lá, conversando com seu pai. Fica desapontada quando descobre que o motivo de estar ali não tem nada a ver com seu futuro como modelo, mas, sim, por ele ser amigo de seu pai e por ser um detetive que estava observando uma aluna de sua escola. Ficaria por um tempo em sua casa. Em meio às várias intrigas entre eles, ela fica interessada nesse homem mais velho, que tudo que lhe importa é o seu trabalho. E agora? Como se desenvolverá esse possível relacionamento de um homem mais velho e uma estudante do ensino médio?


            Yuka é estudante do ensino médio da escola feminina. Uma garota bonita, atraente, esperta e inteligente. Na escola, é considerada a rainha, uma posição que ela adora e faz de tudo para manter. Quando descobriu que o amigo de seu pai, Shinora-san, estava fazendo uma investigação na escola, ficou um pouco aborrecida e com medo de que pudesse atrapalhar sua popularidade, se descobrissem que eram conhecidos. No começo, ficava em negação sobre seus sentimentos em relação a ele, por ser um homem velho. Porém, logo não conseguia segurar seus sentimentos. Ainda mais depois de conviverem sozinhos juntos, por seu pai ter o deixado como seu guardião, para trabalhar no exterior.


            Shinora Ryuu é um homem de 30 anos que trabalha como detetive particular. É bonito, atraente, perspicaz e viciado em seu trabalho. Estava seguindo uma das alunas do colégio feminino onde Yuka estudava, ao ser contratado pelo pai da garota que temia sobre um perseguidor que ficava espreitando sua filha. Após terminar esse trabalho, acabou aceitando ser guardião da filha de seu amigo. Mesmo se dedicando 100% ao trabalho, ele mantém seus olhos sobre a garota, dando regras rigorosas sobre suas saídas.  Como guardião, sabia de sua grande responsabilidade, por isso, era muito cuidadoso em como tratá-la e se envolver. No entanto, Yuka não tornava as coisas fáceis para ele, o que tornava difícil manter, para si mesmo, o seu interesse pela garota.


            Dizem que para o amor não existe idade. Era impossível esquecer a diferença enorme de idade. Uma vez que esses sentimentos trasbordam, fica difícil simplesmente ignorá-los, ainda mais quando se trata de sentimentos mútuos. Então, Ryuu acabou cedendo aos encantos de Yuka, aceitando namorá-la. Claro que tudo com o consentimento de seu amigo, que apoiou o relacionamento dos dois.  Porém, o namoro dos dois não estava indo como Yuka imaginava. Como esperado, ele era viciado em trabalho e quase nunca tinha tempo para curtirem um ao outro como namorados. Esse era mais um conflito a ser superado. “Ele realmente me leva a sério?”, era o pensamento inseguro que ela sempre tinha circulando em sua mente. Como se desenvolverá esse relacionamento?     

    
            O oneshot conta a história de Yuna, uma estudante que adora alugar filmes, principalmente porque, lá, ela encontra o seu crush, com quem só troca algumas palavras, todas as vezes em que é atendida por ele. Sempre o admirou. Suas amigas acabam descobrindo que ele é universitário de uma das faculdades mais renomadas, então, ela acredita que ele deva ser estudioso. No entanto, fica chocada quando, ao ir a locadora em um dia em que ele estava folga, acaba o vendo com um estilo muito diferente do que estava acostumada. Não parecia nada com o cara gentil que a atendia com um sorriso e com um intelectual, como imaginava. E agora? Continuará gostando dele mesmo assim?
            Esse mangá é um amor. Fico triste por ser tão curto. Queria entender por quê histórias boas são sempre tão curtinhas, mesmo que fosse incrível desenvolvê-las.  INDICADÍSSIMO!!!


Gênero:      Shoujo, romance
Autor:   Akegami Takara
Mangá:    1 volume
0 comentário

Meu guardião real - GENIUS


          


          Neste ano, ainda não falei de nenhum game otome da GENIUS, isso porque não estava muito no clima de jogá-los. Ainda faltam cinco temas para me despedir. Como já havia dito em várias postagens sobre esses jogos, eles não estão mais disponíveis, pelo menos não no Iphone. Antes que eu não consiga mais jogá-los novamente, gostaria de me divertir mais uma vez e contar para vocês como é cada um deles. Até agora, já falei de 9 jogos. Verifiquem, pois estão muito legais (clique aqui). Além de que, em algum deles, vocês poderão achar a explicação de como funcionam. “Meu guardião real” foi o penúltimo a sair, antes que parassem de disponibilizá-los. Confesso que foi muito difícil jogar, porque ele é extremamente monótono. Quando algo se torna chato, me dá muito sono, então vocês já podem imaginar o quão difícil foi terminá-lo.


            A história envolve a jovem Haruna (PT), que tem estado de saco cheio da sua vida monótona e tem seriamente desejado que as coisas mudem ao seu redor. Em um dia qualquer, enquanto estava envolvida em seus pensamentos, cansada do dia a dia ser sempre a mesma coisa, um grande terremoto abala a estrutura de sua cidade. Paralisada, em choque, e sem entender o que estava acontecendo, simplesmente não consegue se mexer do seu lugar. Enquanto o mundo parecia cair ao seu redor, escuta uma voz sombria, que ressoava, muito perto, sobre a destruição do mundo que estava prestes a acontecer, pelo desejo do rei do submundo. Ao desmaiar, acorda com algumas vozes masculinas preocupadas. Ao abrir os olhos, pensava que havia morrido e ido para paraíso, no entanto, não parecia tão fácil assim. Ela ainda estava viva em meio a todo o caos. Então, esses jovens homens, cujo a beleza ultrapassa a dos humanos, se apresentam e explicam que vieram do mundo dos deuses, onde todos têm conhecimento sobre o futuro. Estavam ali para protegê-la, porque ela era a chave para salvar o mundo. Um grande caos começa a se instaurar, e o inimigo, que estava atrás dela, se torna presente. Então, sem pensar muito, a moça é obrigada a escolher qual deles ela confiará a sua vida. E agora? Como a história de Haruna se desenvolverá? Quem ela escolherá?


            Ran é o deus que reina sobre o sol, um belo homem incrivelmente poderoso durante o dia. Ele é energético, perspicaz, mandão e dominador. Apesar de ele ser um pouco rude, por não ser muito honesto em como se sente, está sempre pronto a se sacrificar por aquilo que deseja proteger. Mesmo sendo poderoso durante o dia, à noite ele não tem capacidade de usar o seu verdadeiro poder. É aí que entra o deus Thoth, que sempre o protege pela noite, com quem parece ter cumplicidade. Assim que o mundo entrou em crise, que estava para levar à destruição, sem hesitar, veio para salvar o mundo. Já que o destino era proteger uma única pessoa, Ran estava disposto a fazer o que fosse necessário.


            Provavelmente, ele não tinha imaginado que iria se apaixonar pela garota, a qual estava decidido a proteger. Uma humana que, apesar de saber o seu nível social diante dele, não hesitava em bater de frente com a sua vontade. Assim, ambos sempre estavam em uma discussãozinha. Nenhum dos dois conseguia ser honesto um com o outro. Mesmo assim, essa convivência só estava tornando mais forte aquilo que ele sabia, mas não era capaz de dizer. Protegê-la era a única coisa que poderia fazer, no momento. O destino era incerto, mas, mesmo que tivesse que magoá-la emocionalmente, a protegeria com todo o seu coração e força. A jovem não sabia exatamente do que se tratavam seus sentimentos. Mesmo assim, se possível, gostaria de viver para sempre do lado dessa pessoa. Se o mundo ruir ou tudo voltar a ser como antes, ele permanecerá ao seu lado?


            Horus é o deus do céu, um garoto bonito, gentil, alegre, otimista e honesto. Tem um coração enorme e trata todos que são próximos como excessivamente preciosos, por isso, está sempre pronto para os proteger com sua vida. Horus ama animais e adora se divertir. Mesmo em tempos difíceis, está sempre dizendo coisas reconfortantes. Apesar de ser uma pessoa tão amorosa, uma vez que fica irritado, pode mostrar uma outra personalidade, em que ele acaba esquecendo seu lado gentil e se torna alguém um tanto assustador. Quando previram o que estava para acontecer, não hesitou em descer à Terra com os demais deuses, para protegê-la e também a humana, que seria o fator principal para proteger o mundo do caos.



            Por isso, ficou muito feliz quando foi escolhido por Haruna. Espontaneamente, eles se tornaram muito unidos. Provavelmente por Horus ser alguém tão reconfortante, otimista e corajoso, todos os temores e medos da pobre Haruna foram tirados um a um.  Então, mesmo que as coisas estivessem difíceis, só de olhá-lo era suficiente para ela criar uma vontade sobre humana de ser mais forte e encarar seu destino. Logo, ambos se tornaram muito importantes um para o outro. Então, era extremamente doloroso quando algo ruim acontecia com algum deles. A impotência de não ter sido capaz de proteger um ao outro era algo agonizante. Horus é, geralmente, muito honesto e extrovertido, no entanto, mostrou um lado tímido ao descobrir seus sentimentos mais profundos por Haruna. Para mim, eles são muito fofos. Dá vontade de colocar os dois no potinho.


            Osiris é o deus do nascimento e da vegetação, um homem de beleza delicada, educado, gracioso e gentil. Geralmente, é ele quem media quando as coisas estão fora de controle. Não se pode ver muito o que realmente está sentindo ou pensando, por estar sempre aparentando calma e sendo gentil. No entanto, pode se expressar de forma grosseira quando está muito irritado. Ele é irmão do Seth e ambos são muito unidos. Osiris é extremamente protetor em relação a ele. O que ele mais gosta de falar é sobre o destino. Acredita profundamente que cada destino traçado deve correr certinho, como escrito. Então, não tem qualquer vontade de lutar contra, mesmo que seja um destino cruel.


            Quando foi escolhido por Haruna, ele foi muito cavalheiro, andando em seu próprio ritmo, sempre sendo gentil e reconfortante. Porém, suas atitudes excessivamente gentis acabavam, às vezes, a confundido, mas logo percebeu que ele era assim com praticamente todo mundo. Fazia parte de sua natureza. É meio difícil falar do relacionamento deles, porque, para mim, essa foi a rota mais sem tempero de todas. Eu esperava muito do Osiris, mas foi entediante, pois não teve qualquer emoção ou friozinho na barriga. A não ser pela parte de sua gentileza, o desenvolvimento romântico foi vazio, não teve, pelo menos não senti em nenhum momento. Somente no final, ele expressa seus sentimentos, e é só.


            Krona Morisaki. Não é segredo, para ninguém, que ele é, na verdade, o deus do submundo, deus Anubis. Ele tem muitas formas, de acordo com demais deuses. É por isso que, quando ele pareceu com a forma de cima, ninguém o reconheceu. Assim, foi muito fácil enganar a todos, principalmente Haruna, que achou que ele era uma criança perdida, que estava correndo risco de morte. Apesar de sua aparência mais nova, ele demonstrou ser muito maduro e realista. Aparenta ser muito calmo e não mostra suas emoções facilmente. Nas demais rotas, ele pareceu ser uma pessoa normal. Na sua própria rota, apesar de, às vezes, dar sinais, ele parecia também ser completamente normal, um ser humano. Por alguma razão, ele odeia a existência humana e isso vai ficando claro no decorrer. Krona não entende os sentimentos humanos e acha que a morte é algo totalmente natural. Não é algo para se ficar triste.


            Haruna o escolheu com a intenção de o proteger do perigo que o cercava. No entanto, acabou sendo protegida pelo garoto, que não parecia ter força nenhuma, mas era mais másculo do que ela esperava. Durante o tempo que passaram juntos, ele mostrou várias vezes ser alguém de muita confiança e carinhoso. O vínculo ali formando se tornou tão grande, que a própria ficou sem definir que tipo de sentimentos tinha por ele. Porém, por ser supostamente mais novo, ela o queria ver apenas como um irmãozinho. Contudo, o que ela não esperava era que ele seria uma ferida incurável em seu coração e que Krona não era nada mais que o próprio deus Anubis, que estava querendo tirar sua vida. Esses momentos juntos teriam amolecido o coração de Anubis? Qual será o desfecho dessa história, que já foi escrita há mais de mil anos?


            Além dos nossos queridos deuses, cada um com sua rota, temos mais dois: Thoth, o deus da lua, que ajuda o Ra, o deus do Sol. É um rapaz muito gente boa, bonito, muito atencioso e compressivo; E temos Seth, único que não tem imagem, então só ficará em nossa imaginação. Porém, é o mais participativo, o deus do deserto. Ele é esquentado e nem um pouco honesto com seus sentimentos, no entanto, é uma pessoa maravilhosa. Ajudou muito Haruna, mesmo dizendo que não ajudaria. Mostrou se importar muito com todos, principalmente com a jovem.


            Também temos a Akari, melhor amiga de Haruna, que misteriosamente aparece e some do nada. Está sempre procurando seu irmão mais novo, desaparecido. Nas primeiras rotas, ela está sempre com Krona. Assim, o usa como desculpa para não ficar com a amiga. Porém, quando é a rota do próprio Krona, ela se torna mais estranha ainda. 
            Acho que já disse, anteriormente, que esse jogo foi bem difícil de jogar, porque realmente não carrega muita empolgação. Não sei por quê fizeram um jogo tão sem emoções e envolvimentos. Achei o romance muito seco. Esse é um jogo otome, é obvio que procuramos muito romance para nos contagiar e nos fazer suspirar. Porém, dessa vez, erraram feio. Os personagens são maravilhosos, mas o desenvolvimento é péssimo. Uma pena, isso. 

0 comentário

Photoshoot: Sakura e Syaoran – Tsubasa Chronicles




         No mês passado compartilhei com vocês uma parte desse ensaio, e se você ainda não viu, não tem ideia do que esta perdendo. Vá agora mesmo porque está puro amor (clique aqui). Esse Shoot me inspirou muito, e por essa razão ousei fazer coisas que jamais havia tentado antes.  Confesso que, apesar da minha falta de habilidade, estou orgulhosa pelo resultado desse ensaio.   Dessa vez fiz algumas edições usando muita magia, a fim de trazer um efeito mais legal e poder expressar o que estava acontecendo no momento.  E, para cada acontecimento tem vários ângulos, e eu queria muito compartilhar isso aqui no blog com vocês.
Sei que duas dessas fotos já foram postadas anteriormente, mas como gostaria de mostrar a forma que tudo se desenvolveu, estou postando aqui novamente.  Não sou nenhuma profissional na área, então, se prestar atenção nos detalhes vão perceber alguns defeitos em minha edição, por isso, aconselho olhar apenas superficialmente.  Nossa fotógrafa foi a Kohana (@_pvftcosplay ) com ajuda da Staff Jenny. E meu Syaoran mais perfeito do mundo é a Viih, minha parceira em muitos cosplay.  O local escolhido foi Parque Mãe Bonifácia.
Para mim, esse foi um dia muito importante e memorável. Mas, como fá falei para vocês na primeira postagem, então por favor, vamos às fotos.


















         Espero que vocês tenham gostado e continuem nos apoiando e acompanhando, pois muito mais projetos serão compartilhados por aqui. Muito obrigada!!!
0 comentário

Tamra, The Island (k-drama)



        Encontrei esse dorama totalmente por acaso, mas o que me chamou a atenção mesmo foi o estrangeiro da capa. Foi a primeira vez que fui trollada tão lindamente. Tudo o que eu estava esperando acontecer correu totalmente diferente, e isso foi decepcionante. Toda vez que assisto, fico muito contrariada, porque realmente acreditava que “Tamra, The Island” era diferente de tudo o que eu já via assistido, até agora. Mesmo assim, não posso dizer que não gostei dele. Foi muito bom, inclusive a participação do britânico, que tornou tudo muito especial. Esse dorama histórico foi lançado em 2009. Tem uma história muito única e acredito que poucas pessoas a conheçam. As outras não fazem ideia do que estão perdendo. O elenco é muito interessante, tem vários rostos diferentes, mas o que mais me chama a atenção é o estrangeiro, que fez um dos principais personagens. Mesmo sendo um tanto antigo, tem uma boa produção. Aproveitem, pois está disponível no Viki. Assistam, antes que saia do ar.
            A história envolve três vidas distintas. Um jovem britânico de família rica, que é apaixonado pela cultura e arte asiática, vê a oportunidade de conhecer isso mais de perto, quando seu amigo japonês, mercador, o convida para viajar até o Japão. No entanto, no caminho, acaba sofrendo um naufrágio. Uma jovem desajeitada, mergulhadora, coreana, da ilha de Tamra (Jeju), sofre por não ter herdado a habilidade de uma boa mergulhadora de sua mãe. Contudo, por ser uma tradição das mulheres da aldeia, ela tem sido obrigada a seguir esse caminho, por mais que não deseje. Frustrada com tudo isso, ela sonha em poder ir para muito longe, até onde o mar alcança. E um nobre misterioso, que foi exilado devido ao seu péssimo comportamento de assediar mulheres. Ele acaba chegando em Tamra. 


            As vidas desses três estão prestes a se cruzar de uma forma extremamente inesperada.  A mergulhadora, enquanto fugia de seu trabalho diário, acaba encontrando algo dourado e suspeito. Ao verificar do que se tratava, fica surpresa e assustada quando um ser extremamente diferente do que já havia visto está à sua frente. Porém, durou só uns segundos, pois logo se encheu de curiosidade sobre aqueles olhos azuis, pele branca e cabelo cor de ouro. Seu primeiro instinto foi escondê-lo. Mesmo que não fossem capazes de entender a linguagem um do outro, de alguma forma, eles se se entendiam. Ao voltar para casa, entre várias situações confusas, o exilado é condenado a viver em uma casa plebeia. Essa casa era exatamente da jovem mergulhadora. Logo de cara, não se davam bem. Enquanto ele, misteriosamente, ficava vasculhando coisas pela ilha, descobre que a garota estava escondendo um estrangeiro. E agora? Ele irá entrega-los ao governo? Que tipo de envolvimento esses três terão entre si?  


            Jang Beo Jin é uma jovem nativa da ilha de Tamra, um local rico em plantações e diferentes frutos do mar. Por essa razão, faz praticamente parte da cultura deles as mulheres se tornarem mergulhadoras. Sua mãe é chefe das mergulhadoras, o que faz com que responsabilidade de ser uma boa nisso seja mais pesada em suas costas. No entanto, ela não leva jeito para essa vida, o que a faz se sentir deslocada e inútil. Fugir de tudo isso é o que ela mais deseja, mas para onde correr? Sendo uma moça de beleza comum, atrapalhada e ingênua, ela gostaria de encontrar o seu próprio lugar. Então, um dia, ela encontra uma pessoa totalmente diferente do que já havia visto antes.  Apesar da surpresa do começo, para ela, parecia mais um sonho encontrar alguém que veio muito além desse mar. Ao ser avisada que estrangeiros seriam mortos se fossem descobertos pelo governo, a garota, desesperadamente, tentou o proteger, alimentando-o e arrumando um lugar para escondê-lo. Mesmo que ele não entendesse nada do que falava, se sentia à vontade enquanto abria seu coração para ele. Em meio a isso, ela tinha que lidar com o arrogante exilado, com quem não se deu bem desde o começo. Morando em sua casa, tinham que conviver. Pouco a pouco, notou que ele não era uma má pessoa.


            Willian J. Spencer é um jovem aristocrata britânico, bonito, ingênuo e sonhador.  Ele ama música, artes e acabou se apaixonando pela cultura asiática. Sua mãe não gosta muito que ele fique tão interessado nessas coisas e tem providenciado seu casamento. Porém, não era o que ele desejava. Seu sonho era conhecer esses lugares e suas artes, por isso, quando surgiu a oportunidade, não hesitou em fugir e seguir seu coração. Ao navio naufragar, é levado, pelas ondas, à ilha de Tamra. Foi assim que conheceu a sereia que salvou a sua vida. No começo, não entendia nada do que ela falava, por isso, não entendia que era muito perigoso ser descoberto. Então, mesmo que Beo Jin falasse para ele não sair da caverna, às vezes, ele saía para procurar coisas suas, que haviam se perdido.  Depois de um tempo, a moça ensinou-o algumas palavras. Assim, as coisas passaram a fazer sentido. Willian estava encantado, tanto com a ilha quanto com sua salvadora. Eles fizeram uma promessa que, quando ele fosse embora, a levaria junto.


            Para o jovem britânico, esta pessoa se tornou mais importante que sua própria vida. Mesmo sabendo que tinha que ir embora, não importava o que, queria levá-la com ele. O que poderia ser isso, senão amor? Conseguindo entender bem a língua local, devido à sua alta inteligência, ficou mais fácil se comunicar. Dias mágicos estavam passando juntos.  Para Beo Jin, Willian era especial, e faria qualquer coisa para o proteger. Ele era seu primeiro amigo, seu primeiro amor, aquele que a levaria para longe e a permitiria conhecer um novo mundo e diversas possibilidades. Os momentos que passavam juntos eram tão encantadores, que lembram “Pocahontas”, agora que penso. Beo Jin se considerava feia, sem atrativo algum, porém, o Willian foi a primeira pessoa a dizer que ela era linda. Todavia, essa aventura e esse amor seriam arruinados pelo exilado, que acabou descobrindo as suas situações. E agora? Esse amor dará frutos?


            Park Kyu é um nobre que foi condenado ao exílio, por supostamente assediar mulheres. É um homem arrogante e perspicaz. Em sua chegada à Tamra, se envolve em uma confusão com a Beo Jin, quando tropeça nela e pega algo que a pertencia, sem querer. Coincidentemente, ele é obrigado a viver na casa da jovem, entre plebeus. No começo, foi difícil aceitar as mudanças drásticas que sua vida estava sofrendo, já que, obviamente, não havia nenhum luxo com o qual vivia. Porém, não havia outra forma de sobreviver ali, a não ser começar a aceitar a sua nova vida. Enquanto vasculhava os acontecimentos da ilha, ficamos cientes de que ele não é um exilado qualquer. Existe muito mistério sobre quem ele é, de fato. Quando descobre o estrangeiro, ao primeiro momento, é convencido pela mergulhadora a não contar. Isso só foi possível porque, de alguma forma, ele se sentia afeiçoado à garota problemática e atrapalhada.


            Seu exílio era cheio de mistérios, porque ele xeretava cada canto da ilha, como se tivesse em busca de algo. Enquanto isso, por alguma razão que não dava para entender, ele permanecia calado sobre o estrangeiro. Porém, cada vez mais se encontrava incomodado com a aproximação de Beo Jin e Willian, e ele mesmo não entendia o motivo disso.  Logo, ao conviver com a garota, se tonou cada vez mais afeiçoado a ela. Para que a existência do britânico não fosse uma ameaça às suas vidas, resolveu ajudá-lo a ir embora de uma vez. O que não esperava é que a mergulhadora estivesse disposta a ir junto. Assim, Park Kyu percebeu seu amor não correspondido por ela e entra em uma rivalidade amorosa com Willian. Park Kyu é um fofo também, uma vez que se apaixona, mas eu não consigo shippá-los, porque a shippo com Willian. Vê-los juntos também dá uma cosquinha no coração.


            Yan Kawamura é um japonês que trabalha em um grande clã de mercadores. Em uma de suas muitas viagens, fez amizade com Willian. É um homem astuto, perspicaz e desconfiado. Ao levar o seu amigo nessa viagem, também acabou na mesma condição, parando em Tamra. Foi mais fácil para ele disfarçar que é um estrangeiro, por também ser asiático e saber falar a língua local. Depois de uns dias, encontra Willian e tenta fazer de tudo para tirá-lo dali. Porém, o apaixonando britânico não facilitava, desde que não estava disposto a ir sem a menina por quem se apaixonou, o que virou um grande problema. Depois de várias tentativas falhas, ele vai embora sozinho. Só volta após fazer um acordo com mãe de Willian.
            Existem alguns outros personagens e talvez fosse interessante falar sobre eles, mas preferi falar desses quatro. Eu gosto muito da trilha sonora, parece até coisa de Disney. Será que foi mesmo inspirado em Pocahontas? Não faço ideia. Mesmo assim, foi realmente muito bom, mesmo que nem tudo tenha sido como eu queria. Por essa razão, não posso deixar de indicar. INDICADÍSSIMO!!!


Gênero:   Romance, Drama, comedia, Época
Dorama:   20 episódios 

0 comentário

Idol-sama no yoru no okao



            Esse é uma mangá ecchi e shoujo de um volume, apenas. A ilustração não é das melhores. Mesmo não sabendo a data de lançamento, estipulo que, devido à história e a ilustração, tem um mínimo de 7 anos desde que foi lançado. Não é uma grande história, que vale muito a pena ler. Primeiro porque acho a personagem principal muito idiota, e olha que nem ligo que ela seja uma pervertida. Porém, juntando tudo isso, me faz realmente virar os olhos de desgosto.
            O enredo envolve uma fã que persegue seu ídolo de todas as formas. Inclusive, fez de tudo para se matricular na mesma escola que ele. Deseja realizar seu sonho, que é perder a virgindade com seu ídolo. Em seu primeiro dia de aula, ela é vista como uma completa idiota por ele, no entanto, com o intuito de aliviar o tédio, ele resolve bricar com ela, fazendo-a sua mascote. Diz a ela que, se ela fizer tudo que ele mandar, se tornará, um dia, namorado dela. E agora? Ela será capaz de fazer tudo que ele pede, mesmo que sejam coisas humilhantes? Ele realmente vai cumprir seu acordo de se tornar seu namorado, depois de ela fazer todas as coisas que ele desejar?



            Aya Suzuhara é uma garota bonitinha, ingênua e atrevida. Todas as fãs perdem para o amor que ela tem pelo seu ídolo. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para realizar todos os seus sonhos em relação ao Zero, que é a sua vida inteira. Seu fanatismo é tanto, que ela só falta lamber o chão que ele anda. Ao conhecê-lo, mesmo ele sendo um pouco arrogante e sádico, ela não se importa. Aproveita qualquer coisa que ele faça por ela, até mesmo seu desprezo. Por isso, não hesitou em cumprir cada tarefa, por mais vergonhosa que fosse. Ela definitivamente perderá sua virgindade com o seu ídolo número 1.


            Zero é um rapaz lindo, charmoso, habilidoso, arrogante e inteligente. É um dos ídolos mais populares do momento, sempre rodeado por várias garotas. Um dia, quando essa menina começa a perseguí-lo, ele quer torturá-la e brincar com ela, por achá-la patética. Assim, ele começa a brincar de todas as formas possíveis. Claramente, algumas coisas ele a mandava fazer por duvidar que teria coragem. Acreditava ela desistiria dele logo. No entanto, até mesmo os pedidos mais humilhantes, como ficar nua na sala de aula, na frente de todos, a garota foi capaz de tomar tal atitude. “Que garota estranha! Por que ela faria tudo isso por alguém como ele? Ela não tinha orgulho?”. Essas eram suas perguntas.  Antes que percebesse, já estava protegendo-a e um tanto cativado com sua devoção sem limites, ainda que não admitisse tal sentimento.


            Mesmo que ele continuasse sendo arrogante e rude com ela, por alguma razão, não conseguia ser indiferente às coisas que ela fazia. Sem perceber, seus sentimentos foram mudando. Assim, passou a tratar sua mascote com mais gentileza, o que levou a Aya estranhar, mas, ao mesmo tempo, se sentir especial, já que ninguém provavelmente teria visto esse lado gentil dele. Em momentos juntos, ela continuava lutando fortemente para que o conquistasse, ao ponto em que ele a desejasse tanto, que levasse sua virgindade, realizando seu sonho. Ela conseguirá realizar esse grande sonho? O que será do relacionamento deles?
            É um mangá bem bobinho, mas quando você já leu todas as histórias de amor e está querendo mais, por que não ver essa aqui, né?  Não é uma que leria novamente, mas da para ler e sentir o gostinho do amor.


Gênero:      Shoujo, romance,Vida escolar
Autor:   Karumatani Haruko
Mangá:    1 volume
0 comentário

Tonari no Kaibutsu-kun



               Antes do anúncio de lançamento desse anime, eu já acompanhava o mangá, que, por sinal, já amava muito. Não sou de assistir nada em lançamento, mas fiz questão de acompanhar episódio por episódio, a cada semana, ansiosamente. Para mim, foi incrível ver os personagens ganhando vida com a animação. No entanto, o final acabou sendo uma verdadeira decepção. Não importa quantas vezes eu assista, eu sempre vou sentir uma leve frustração com esse final tão sem sentindo. Ainda bem que nem tudo estava perdido, já que o mangá ainda estava em desenvolvimento e iria muito além do que vimos no anime. 


            O mangá foi lançado em 2008 e concluído em 2013, com 11 volumes. A ilustração é maravilhosa. A forma como a história foi trabalhada foi fantástica. Eu já li duas vezes e nunca me arrependi. O final é muito bom e, depois, ainda tem uns extras muito legais sobre os demais personagens secundários. O anime foi lançado em 2012. Foram muitos poucos episódios e, talvez, por isso não conseguiram nos dar um final mais agradável.  Mesmo assim, eu amei a qualidade da animação. Os dubladores são maravilhosos. Devo ressaltar que adoro a voz do Haru. Que saudade de ouví-la! Eles seguiram bem a história original, mas não tão detalhadamente. Além de que, ele vai no máximo até o capítulo 15 do mangá. É bem pouco mesmo. Depois disso, temos muito a contemplar.


            Em 2018, foi lançado o live-action. Eu fiquei muito surpresa, porque nem imaginava que chegaria o dia em que veria esse enredo ganhando mais vida, com um filme. Confesso que não tinha nenhuma expectativa em relação a ele, no entanto, me surpreendi mais uma vez. Achei a produção muito bem-feita, mas o que realmente amei foi como os atores se encaixaram perfeitamente em seus personagens. Não saíram nem um pouco do que eu imaginava de como seria cada um. Fiquei muito feliz. Como se trata de um filme com pouco tempo, tiveram que fazer um resumo da história, mas o bacana é que os momentos mais marcantes foram, de fato, trabalhados. Mesmo que tenham faltado várias coisas, consegui me emocionar muito. Devo tirar o chapéu para os atores que fizeram o Haru e a Shizuku, pois interpretaram perfeitamente. Fiquei muito encantada. 


            A história gira em torno de duas vidas distintas. A estudante do ensino médio, muito aplicada, que vive sua vida para estudar obstinadamente, afim de alcançar os seus objetivos. E o seu vizinho de carteira, que foi suspenso no primeiro dia de aula, por se envolver numa briga, mas nunca voltou, mesmo depois de acabar o período da suspensão. Um dia, ela acaba sendo encarregada de levar as tarefas para ele. Assim, acaba o conhecendo, de fato, após uma recepção bem hostil da parte do garoto, que acreditava que a jovem era uma espiã da escola. No entanto, após ela explicar o que foi fazer, o rapaz ficou muito feliz e passa a chamá-la de amiga. Ele começa a perseguí-la, acreditando que a garota era sua amiga. Mesmo a situação sendo problemática, ela acabou sendo levada pelo fluxo, porém, no meio do caminho, se desentendem, devido à sinceridade da jovem em relação a ingenuidade dele. Ela se sente aliviada pelo fato de não ter que lidar mais com essa pessoa problemática.
            Contudo, sua professora a encarrega, mais uma vez, de avisá-lo que, se continuasse dessa forma, seria expulso. Mesmo dizendo que não ia, algum sentimento estranho a levou até o lugar onde ele vivia. Apesar dele supostamente não estar ali, o recado foi dado. Então, ela ouve garotos, que foram a razão do desentendimento anterior, falando mal de seu vizinho. Essa garota, que nunca foi movida por emoções, sem conseguir se segurar, os encara e diz para eles não serem assim, porque o seu colega, honestamente, os considerava bons amigos. Um deles se irritou com sua audácia e fez um movimento violento em direção a ela. Então, o garoto problemático aparece e os expulsa dali. Após uma conversa sincera com sua mais nova amiga, o rapaz decide ir à escola, desde que ela estivesse lá por ele. Agora, seria o começo de uma profunda e estranha amizade entre uma garota fria e calculista e um garoto ingênuo e problemático? Como essa história se desenvolverá?        


            “Quero estudar bastante e me tornar logo uma mulher. Ganhar dinheiro é meu sonho.”
            Shizuku Mizutani é uma estudante do ensino médio. Uma garota obstinada, densa, sincera e indiferente. Como seu pai sempre falha em seus negócios, sua mãe decidiu trabalhar em seu lugar, então, passa muito tempo fazendo horas extras, o que a faz não voltar para casa quase nunca. Com isso, a jovem fica encarregada de cuidar do irmão, pai e casa. Após as expectativas da vida a decepcionarem, decidiu se esforçar nos estudos, pois isso definitivamente não a trairia, já que tudo dependia do seu próprio esforço. Então, ela tem estudado duro para alcançar o seu objetivo. Para ela, é de extrema necessidade ser a número um. Quando não alcança, fica muito frustrada e se torna mais severa nos estudos. Shizuku costuma estudar o tempo todo, em qualquer lugar que esteja. Não gosta de se envolver afetivamente com ninguém e costuma ser indiferente aos problemas das pessoas, dizendo que isso é algo que a própria pessoa tem que lidar. No entanto, as coisas começaram a mudar quando conheceu o seu vizinho, Haru, que tornou seus dias uma loucura, apesar de ignorá-lo o máximo possível.


            “Graças a você, fiquei duas vezes mais ocupada, porque deixei de pensar só em mim. Então, eu passei a pensar em outras pessoas.”
            Quem diria que aquela visita que ela fez, sem qualquer desejo, resultaria em uma grande mudança em sua vida? Shizuku nunca sentiu necessidade de se envolver com alguém. Amizade nunca foi algo que que desejara. Sempre esteve segura de si mesma, sempre esteve obstinada a alcançar suas ambições e o resto não era de seu interesse. Porém, ao conhecer o Haru, teve que passar por muitas situações diferentes. Quantas vezes foi levada de um lado para o outro e, mesmo não querendo, tinha momentos agradáveis? Se irritar, se frustrar e se divertir começaram a se tornar frequentes. Esse garoto problemático, que ficava virando sua vida de cabeça para baixo, lhe causando sensações que nunca havia conhecido, às vezes era um incômodo e outras vezes era necessário. No entanto, ao descobrir que ele era um monstrinho estranho, que não estudava, mas era muito mais inteligente que ela, despertou seu lado competitivo. Ele continuava ali, interferido em seu tempo de estudo, enquanto ela perdia seu posto de primeiro lugar, e isso a deixava furiosa, fazendo-a até mesmo ignorá-lo. Dizia não ter tempo para ele, pois tinha que estudar. Contudo, havia esse sentimento desconhecido, que a estava incomodado. O que seria isso?


            Haru Yoshida é um estudante do ensino médio. Apesar de apresentar um comportamento intimidador e violento, na verdade, é um garoto inocente, ingênuo, honesto e sem noção. No desenvolvimento, entendemos que a sua agressividade é sua autodefesa, que surgiu após um grande trauma, que o fez não querer mais frequentar a escola. Passou uma boa parte estudando em casa, onde, devido à sua alta inteligência, seus estudos estavam muito mais avançados. Apesar de não saber se comunicar com as pessoas, a verdade é que ele deseja, profundamente, estabelecer laços, fazer amigos e ter dias normais, como um estudante qualquer. No entanto, por não saber controlar sua agressividade em certos momentos, acaba afastando as pessoas, que passam a olhá-lo de forma estranha. Isso lhe faz ter medo de encarar as pessoas, o que o faz retribuí-las com olhar e comportamento intimidador. Haru vem de uma família muito rica. Quando criança, foi abandonado, junto de seu irmão mais velho, pela sua mãe. Morou um tempo com um familiar. Por causa de sua inteligência, foi levado para morar com seu pai. Aí, o relacionamento com seu irmão passou a mudar. A única pessoa que ele tinha apego e amava passou a evitá-lo e a falar coisas ruins, o que o feriu muito e o fez ser uma pessoa problemática. Até que foi expulso de casa e passou a viver com uma tia cientista, que foi quem ensinou tudo sobre a vida. Hoje, ele evita seus pais e irmão. Vive aos cuidados de seu primo, após o falecimento de sua querida tia. Logo no primeiro dia de aula do ensino médio, mais uma vez ele cometeu um erro, sendo violento com uns gangsters da escola, que estavam extorquindo um dos alunos dali. Porém, obviamente, como ele acabou com eles, foi suspenso, o que gerou outro trauma e não quis mais voltar à escola mais. No entanto, as coisas mudam quando uma colega de classe foi visitá-lo. Foi a primeira vez que alguém, que não fosse professor, havia feito algo como isso para ele. Isso realmente o deixou muito feliz. Que sentimento novo é esse que surgiu em seu coração?


            “Quando eu te encontrei, eu pude me encontrar também.”
            Esse garoto problemático e ingênuo nunca havia feito uma amizade genuína, de fato. Ainda que Shizuku fosse indiferente, mesmo negando, não havia como fugir de algo que havia se tornado. Eles eram melhores amigos. Todos ficaram espantados em como eles eram diferentes, mas se davam bem. Haru sempre obedecia às repressões de sua nova amiga, e queria tentar de tudo, as coisas boas que bons amigos fazem, junto dela. Sua professora lhe deu um livro de como tratar garotas, já que ele também parecia não saber diferenciar o tratamento de homens para mulheres. Ele havia dito à Shizuku que gostava dela, mas nem ele mesmo sabia diferenciar esse sentimento. Gostar? Que tipo de gostar era esse? Sem ainda conseguir se relacionar com os demais, sempre trazendo problemas para sua melhor companheira, entre brigas e desentendimentos com ela, sua relação foi ficando mais forte. Novos amigos, que o entendiam e reconheciam seu lado bom, foram começando a entrar na vida de ambos, que estava mudando. Em meio tempo, Haru descobriu que o gostar dele era diferente do gostar da Shizuku, que havia se declarado. Quem esperaria que a fria e calculista garota fosse se apaixonar? Tiveram que acontecer algumas coisas, para ele, finalmente, entender seus sentimentos em relação a ela. Não era só amizade. Ela era a pessoa mais importante da sua vida. Seria tarde demais para voltar atrás e expor seus sentimentos, depois de ter dado um fora?


            “Nós já sabemos do que é preciso para ficarmos juntos. Sinceridade e igualdade. Não ter medo de olhar nos olhos.”
            Ter descoberto esse sentimento de amor não foi algo fácil de aceitar. Não pela pessoa ou sentimento em si, mas pelas consequências disso para seu estudo e futuro. Essas emoções diferentes vinham surgindo como tempestade. Quando se declarou, foi algo que não havia previsto. Foi algo que saiu, levado por um momento agradável. No entanto, acho que não esperava que levaria um fora. Naquele momento, ela pensou que, se o gostar deles não fosse igual, ela transformaria isso em mútuo, o fazendo se apaixonar por ela. Porém, o que era necessário para isso? Em meio a esses dilemas, mais uma onda de emoções desconhecidas continuava surgindo. Cansada disso tudo, vendo que isso estava atrapalhando seus estudos, o que afetaria seu futuro, ela entrou em acordo consigo mesma: “Para mim, a coisa mais importante é estudar, para assegurar o meu futuro. Se é algo que afeta o mais importante para mim, eu não preciso disso.”. Assim, ela desistiu dos seus sentimentos por Haru. No entanto, parece brincadeira, foi bem quando o próprio também percebeu os seus verdadeiros sentimentos em relação a Shizuku, tornando difícil, para ela, ser firme sobre isso. Mesmo assim, persistiu até onde deu. Até o ponto em que decidiu ser sincera, pois ainda gostava dele. Não começaram um relacionamento de cara, mas eles passaram um tempo juntos. Em meio às muitas situações, eles tiveram um relacionamento mais sério. Muitas coisas aconteceram, sobretudo aquilo que era gostar. A paixão acabou virando amor, conforme essa relação amadurecia.


            Asako Natsume é estudante do ensino médio. É uma garota excêntrica, folgada e antissocial. Não é antissocial porque quer, pois, na verdade, ela quer muito ser sociável e ter muitos amigos. Porém, devido à sua beleza, desde o fundamental, sofreu uma forte exclusão entre as garotas, por ser aquelas que os garotos cogitam. Por isso, também criou raiva de garotos e os evita com tudo. Sem amigos na vida real, ela passa muito tempo na internet, fazendo amigos virtuais, onde não é tratada com desprezo ou diferença. Por não ser boa nos estudos, estava para ficar de recuperação, o que atrapalharia seu primeiro encontro com os amigos virtuais. Então, pediu a ajuda da Shizuku, que ignorou totalmente. No entanto, Haru resolveu ajudá-la, para ir ao encontro também. Foi assim que os três acabaram amigos. Asako tem muita admiração pela Shizuku, que se tornou sua boa amiga. Também se tornou muito amiga de Haru, por sofrerem o mesmo: são solitários, sem amigos. Além dele ser um garoto que só tinha olhos para Shizuku, o que não o levaria a gostar dela. Asako torcia muito pelos os dois, embora tivesse medo de que, uma vez que fossem um casal, ela seria largada sozinha, novamente. Então, se sentia dividida. No desenvolvimento, ela acaba se apaixonando pelo primo, responsável pelo Haru.


            Souhei Sasahara é um estudante do ensino médio. É um garoto extrovertido, gentil, realista e amigável. Ele faz parte do clube de beisebol. Está sempre cercado por muitos amigos. Passa, estranhamente, a ter interesse por Haru e Shizuku. Isso porque, no passado, no fundamental, estudou com o Haru, que salvou um amigo. Na época, ele não foi capaz de fazer o mesmo. Porém, depois disso, nunca mais Haru voltou à escola e, assim, ele sempre esteve em sua mente. Ao ver que Haru estava fazendo amizades e estava indo à escola, ficou feliz por ele. Logo se entrosou ao grupo dele, se tornando amigo de Shizuku e Asako também. Ele tinha o costume de dizer que só gostava de meninas que gostavam dele, pois era problemático demais gostar de alguém que não tivesse os mesmos sentimentos. Isso tudo porque, no fundo, nunca havia apaixonado profundamente por ninguém. Mesmo dizendo que Asako não era seu tipo, após prestar muita atenção nela, acaba se apaixonando, o que foi considerado uma traição por Asako, que tinha trauma de garotos que gostam dela. Então, disse que não poderia ser amiga de um garoto assim.  


            Kenji Yamaguchi é um estudante do ensino médio de uma escola de elite. É um garoto inteligente, orgulhosos e arrogante. A sua família é rica e tem grande influência na sociedade. Eles têm um hospital e são gerações de bons médicos. Obviamente, ele deseja seguir o mesmo ramo. Apesar de parecer não ter nenhum defeito, ele não tem senso de direção e anda com colegas da escola que parecem mais gangsters que ficam arrumando briga por onde vão. Ele diz que é divertido olhar pessoas idiotas como eles. Mesmo não sendo algo tão necessário, ele faz cursinho no mesmo lugar que Shizuku. Só foi prestar atenção nisso após conhecê-la como amiga do Haru. Kenji conheceu Haru quando estavam no primário. Ele, com sua arrogância, era indiferente ao garotinho, porém, após perceber que Haru era mais inteligente que ele, acabou fazendo bullying. Foi pego pelo irmão mais velho de Haru e, desde então, tem medo Yuuzan. Depois que ele parou de ir à escola, só foi reencontrá-lo agora, no ensino médio. Eles voltaram a ser amigos e rivais, devido ao Kenji ter se apaixonado por Shizuku. Acho muito fofo, atraente e engraçado como ele e Shizuku se dão muito bem. Ela revela que o considera um de seus melhores amigos, o único que ela pode conversar de igual para igual.


            Mitsuyoshi Misawa é primo de Haru. Um homem jovem que administra a Masawa Batting Center, um local onde as pessoas vão para atingir bolas de beisebol, jogadas por uma máquina. Depois do falecimento de sua mãe, ele passou a criar Haru, por quem tem muita afeição e cuida como filho. Ele sempre acompanha o grupo em suas atividades, quando necessário. Por causa de sua gentileza e cavalheirismo, fez Asako se apaixonar. Demorou a perceber, por ser muito avoado, nesses termos. Apesar de ter dado um fora, a garota continuou persistindo, até que ele teve que ser mais duro, o que o deixou também chateado, porque ela passou a evitá-lo. Até agora, não acho que ele era indiferente ao amor dela. Acho que ele gostava dela, mas a sua responsabilidade de adulto falava mais alto. Bem, não dá para saber, pois ele é meio ilegível, mas era esse pensamento que tinha a respeito dele.


            Yuzan Yoshida é universitário e futuro herdeiro da família, irmão mais velho de Haru. Apesar de ser popular por sua beleza, ele desconfia de qualquer mulher e diz que são todas cobras. No entanto, também é facilmente conquistado e pode ser realmente tímido diante de mulheres. Ele e o irmão foram abandonados pela mãe. Apesar do Haru não dar nenhuma importância à mãe que nem conheceu, Yuu foi diferente. Ele a conheceu e sempre desejou ser amado por ela, mas foi ignorado. Quando Haru nasceu, mesmo que ela tenha ido embora e causado muita dor nele, o irmão era seu presente. Ele fazia de tudo pelo seu irmão, que amava muito. Contudo, após mudar para a casa do seu pai, começou a mudar. No começo, queria fazer um mundo perfeito para seu irmão, mas, ao saber que o motivo de estarem ali era mais por causa do Haru, que não valorizava isso ou, melhor, não conseguia se encaixar. Começou a ficar complexado e a se distanciar cada vez mais do seu irmãozinho, o que foi um baque muito grande para Haru, que o tinha como único em sua vida. Os irmãos se tornaram cada vez mais distantes e, agora, Haru foge toda vez que Yuu aparece. Algumas dúvidas ficaram em meu coração sobre eles. Talvez isso tenha ficado claro, no mangá, mas eu não percebi. Tenho muitas dúvidas sobre essa relação.
            Tem alguns outros personagens, mas, falando só dos principais já deu tudo isso. Sei que dei MUITO spoiler e nem avisei, desculpe. Porém, foi assim que eu quis escrever sobre “Tonari no Kaibutsu-kun”. Eu gosto muito dessa história. Gosto do pé no chão que os personagens têm. Gosto dos sentimentos que vão surgindo de forma desconhecida. E amo muito todos os personagens, mas, claro, muito mais o Haru. Ele é um personagem estranho. Parece ter vindo de outro mundo, mas é um ser realmente adorável. Mangá, anime e live-action: INDICADÍSSIMOS!!!!


Gênero:   Comedia romântica, SHoujo
Autor: Robiko
Mangá:  12  Volume + 1 especial
Anime:  13 episódios + 1 Ova
Live-action:  1 
0 comentário