Photoshoot - cosplay: Yuri Plisetsky


              Em novembro de 2018, fiz uma viagem a São Paulo a trabalho, mas aproveitei que consegui terminar uns dias antes e reencontrei um amigo para aproveitar e fazer um ensaio de algum cosplay dele. O Dani já apareceu aqui antes, com o cosplay do Todoroko (clique aqui) e Mikaela (clique aqui). Diferentemente das outras vezes, esse ensaio foi muito mais divertido. Pode ser por causa do local ou até mesmo do personagem, mas acredito que o Dani estava mais solto e isso ajudou muito na hora de fotografar. Espero ter mais oportunidades de fazer mais ensaios assim, quando eu for para lá na próxima vez.
            O personagem dessa vez é do anime “Yuri on ice”. Ainda não o assisti, nem faço ideia de quando irei, mas, por várias amigas já terem o visto, conheço por cima os personagens, que são muito bonitos, por sinal. O personagem escolhido da vez, pelo Dani, foi Yuri Plisersky. Esse personagem caiu muito bem para ele, porque suas características físicas batem muito e vejo que ele sente uma sintonia com o personagem. Se bem que Dani fica bem com qualquer personagem que ele escolhe. Que orgulho ter um cosplayer tão incrível assim por perto!
            O local das fotos foi o prédio onde meu irmão mora. Deu para trabalhar muito o personagem. Estou feliz. Infelizmente, não deu tempo de fazer tudo que gostaríamos, porém, mesmo assim, foi muito incrível. No dia, tiramos fotos do Yuri com três trajes. Hoje, vou compartilhar o primeiro e, no decorrer dos dias, devo liberar as outras fotos. Então, fique com essas fotos do Yuri, esse patinador russo ambicioso e charmoso.













            Espero que vocês tenham gostado. Uma pena não termos uma pista de patinação para tornar as coisas mais interessantes ainda para esse personagem. Quem sabe, um dia, esse Yuri ou outro personagem do mesmo anime não ganhem essa oportunidade incrível?  Fiquem de olho, pois teremos mais em breve.

0 comentário

Paradise Ranch (k-drama)


     

       Esse foi um dos primeiros doramas que assisti, assim que comecei a minha vida de dorameira. Naquela época, há uns 7 anos, gostei bastante desse dorama. No entanto, dessa vez, achei meio sem graça. Talvez seja o tipo de história que só é bom ver uma vez.  Ele foi lançado em 2011. A produção pode até ser boa, mas a qualidade não é lá essas coisas. O elenco foi muito interessante. Naquela época, nunca tinha visto antes, mas depois de tanto tempo, já vi alguns dos atores em outros doramas. O ator principal é membro de um grupo de cantores que gosto muito, DBSK (clique aqui), o Max Changmin. Ele é muito fofo.
            A história gira em torno de dois amigos de infância que, após se apaixonarem tão desesperadamente um pelo outro, ainda adolescentes, se casaram após muita luta para convencer seus pais. No entanto, o casamento durou no máximo seis meses. Eles se divorciaram e seguiram caminhos diferentes. Depois de seis anos, por coincidência, eles acabam se encontrando novamente em um leilão de cavalos, na Austrália.
            Passados uns dias, o jovem, futuro herdeiro dos resorts da família, acaba de ser transferido para a Ilha Jeju, com o objetivo de adquirir cartas de consentimento dos moradores para iniciar uma nova construção. Para isso, ele teria que viver nas terras que foram compradas em seu nome.  No entanto, ao chegar nessas terras, descobre que faziam parte do rancho de sua ex-esposa, que havia sofrido um golpe e perdido o direto de uma parte para eles. Apesar das diferenças e hostilidades da parte dele, o jovem rapaz está disposto a negociar, desde que ela o ajude a conseguir as cartas de consentimento. Então, eles passam a viver juntos para esse objetivo: ela conseguir suas terras de volta e ele as cartas de consentimento. O que essa aproximação, depois de 6 anos de separação, trará a eles? 


            Han Dong Joo é um jovem, herdeiro de um grande império, mimado, imaturo e arrogante. No entanto, ele tem um coração muito mais doce do que deixa aparentar com seu jeito nojentinho de ser. Depois de se separar, teve um tempo em que ficou profundamente deprimido. Os motivos da separação foram por pura falta de maturidade de ambos. Isso fez um grande marco em sua vida, fazendo seus pais odiarem ainda mais a sua ex-esposa. Dong Joo ainda é imaturo e não quer saber de dureza. Agora, também tem um novo amor. Todavia, rever a sua ex-esposa trouxe uma variedade de lembranças e sentimentos há muito tempo enterrados. Enquanto ela parecia ter superado, não parecia que ele havia, de fato, superado por completo. Isso ficava cada vez mais evidente, conforme eles viviam juntos.


            Lee Da Ji é uma jovem veterinária que nasceu e viveu nas Ilhas Jeju. Sua família tem um humilde e pequeno rancho, que é tudo para ela. Depois de se divorciar, sofreu muito, por um bom tempo. Apenas vivia como uma morta-viva. Depois de alguns acontecimentos, ela decidiu se levantar e cuidar de sua vida. Hoje, apesar das boas memórias estarem ali, na sua mente, ela superou totalmente aquele tempo, o suficiente para o encarar sem qualquer ressentimento. Por isso, para ela, não havia problema nenhum em morarem juntos, até porque ela já estava apaixonada pelo belo empresário Seo Yoon Ho. Apesar deles estarem num relacionamento muito gostoso de ver, acabaram acontecendo várias coisas que a fizeram sofrer. Nesse momento, quem mais esteve ao lado dela foi Dong Joo, que parecia se preocupar além do que deveria com a vida particular dela.


            Seo Yoon Ho é um homem refinado, que trabalha para uma grande empresa internacional. Bonito, bem-sucedido e carismático. Veio para as Ilhas Jeju por causa de um negócio com o resort da família de Dong Joo. Ele já havia conhecido Lee Da Ji na Austrália, onde tiveram um lindo encontro do destino. Chegando na ilha, por pura coincidência, acabou esbarrado nela e, desde esse dia, estavam se encontrando constantemente. Yoon Ho ficou totalmente cativado por essa jovem tão vivaz, que o fazia ter vários sentimentos diferentes. Apesar dela ser tão simples, estar ao seu lado era uma das coisas mais incríveis. Eles tiveram alguns problemas ao logo do caminho, mas o problema começou mesmo quando sua ex-esposa, que não aceita a separação de jeito algum, começa a fazer pirraça, dizendo que não ira deixa-lo seguir em frente sem ela.


            Jin Yong é uma jovem arquiteta, rica, que está no começo de um relacionamento com Dong Joo. Ela acaba indo para a Ilha Jeju após pegar um trabalho no resort. Com isso, no desenvolvimento, eles começam a namorar. Pareciam ser muito carinhosos um com o outro, mas sentia que havia uma barreira entre eles. Isso porque Dong Joo escondia o seu segredo de ser um homem divorciado. Além disso, era difícil, para ele, revelar que estava vivendo com sua ex-esposa. Diversas vezes, mesmo sem ela saber que ambos tinham essa ligação, já sentia ciúmes, já que, mesmo que ele não percebesse, demonstrava uma preocupação com a Da Ji excessiva demais para apenas uma amiga de infância.
            Esse dorama não é lá essas coisas, mas tem seus pontos bons. Acho que, se você nunca assistiu, pode até gostar. No meu caso, só a primeira vez foi boa. A segunda já não foi tão legal como a primeira. Então, fica a seu critério assistir ou não. 


Gênero:   Drama, Romance
Dorama:    16 Episodio 
0 comentário

Hakuji


  

          Ao ler a sinopse dessa obra, fiquei muito interessada, no entanto, não sabia que era uma história tão intensa, com entrelinhas tão cheias de significados. A história é muito bonita e os personagens são bem cativantes. Gosto muito da ilustração e das frases um tanto poéticas, que sempre envolvem cada página. Achei esse mangá muito diferente. Carrega uma simplicidade e uma profundidade muito intensas. Além da história principal, tem dois oneshots muito interessantes também.
            A história gira em torno de um pintor que vive em um mundo fechado, em meio às suas tocantes obras. Um dia, seu coração acaba sendo roubado por uma bela e doce estudante do ensino médio. Tudo que deseja é pinta-la, mas tudo que ele pinta tem que ser tocado. Ele tem que conhecer o desconhecido em cada detalhe com as suas mãos, o que quer dizer que, para pinta-la, ele precisa toca-la e conhecer cada detalhe de seu corpo ou sua obra não ficará perfeita. Contudo, ainda que ele deseje tanto tocar aquela pele branca, teme que pensamentos lascivos possa suja-la. E agora? Ele conseguirá controlar seus desejos pessoais e apenas ser um profissional?


            Akiharu Manabe é um homem muito puro. É um gênio pintor desde que era criança. Sua mãe o proibiu de frequentar a escola a partir de uma certa idade, dizendo que sua pureza seria corrompida. Então, ele cresceu acreditando que certos sentimentos biológicos, para qualquer ser humano, eram errados e que tudo que precisava era de sua pintura. Não era necessário ter qualquer relação com pessoas do exterior. Por essa razão, ele também tem medo do fluxo de pessoas e, principalmente, da escola. Acho que, por isso, ele pode ser bem infantil. Quando conheceu a Seika, a menina a que roubou seu coração, começou a se sentir sujo e impuro, por ter desejos que sua mãe condenava totalmente. Ele ama pintar. É muito famoso em sua área, já que vem se dedicando a isso desde criança.


            Seika Ichijou é uma estudante do ensino médio. É uma garota bonita, meiga e inteligente. Ela tem muitos amigos e uma boa família. Conheceu o pintor no dia da cerimônia de entrada da escola. Aceitou, de imediato, ser a sua modelo para sua próxima obra. Acredito que ela se interessou por ele à primeira vista, porque não hesitou muito em aceitar ser tocada por ele, quando ele disse que só conseguia pintar depois de tocar os detalhes. Não acho que ela se sentiria confortável sendo tocada por um homem que não gosta. Seika era muito diferente de Akiharu. Seu mundo era aberto e ela sempre estava envolvida por várias pessoas, as quais eram cativadas por sua amizade. Uma garota vívida. Cada vez mais, tudo que sentia era que queria estar ao lado dessa pessoa, a qual não conseguia mais viver sem seus toques.
            Achei muito bonito o desenvolvimento do relacionamento deles. Teve algumas partes tristes também. Eu, que gosto muito de romance, senti que faltou mais algo para dar um chame a essa obra. Mesmo assim, é muito bonita. Acho que compensa muito ler. INDICADO!!



Gênero:     Romance, Shoujo, Drama, Psicológico
Autor:    Morie Satoshi
Mangá:    2 Volumes
0 comentário

Banana Fish


          

  Eu não imaginava que esse anime causaria tamanho impacto dentro do meu coração. Eu não imaginava que meu coração se quebraria em pedacinhos e que eu iria me apaixonar tão perdidamente, mais uma vez, por um personagem. Muito menos que ele me faria sofrer, como se existisse. Eu nem imaginava que “Banana fish” fosse uma obra tão impactante e dolorosa. Não fazia ideia de nada disso, mas algo me atraiu desde que botei meus olhos sobre ela. Porém, ao mesmo tempo, eu estava resistindo fortemente a ideia, mas o porquê nem eu mesma sei. Talvez fosse o meu subconsciente me protegendo. Eu não me arrependo de nenhum minuto e segundo que passei assistindo episódio por episódio. Se eu não tivesse assistido agora, muito provavelmente apenas conheceria essa obra fantástica depois de muito, muito tempo. Isso, definitivamente, me traria arrependimento.


            O mangá foi lançado em 1985. Como é antigo, vocês já devem imaginar que a ilustração segue o padrão dos anos 80. Só o encontrei em inglês, então dei uma olhadinha no último capitulo. Li apenas o especial, que era a única parte que não teve no anime. Então, não sei até onde o anime, que foi lançado em 2018, foi fiel à obra original. Pergunto-me por que só agora fizeram anime. Sou grata por isso, porque a qualidade é maravilhosa. Até mesmo o design dos personagens está muito mais bonito. Se fosse feito antigamente, nem quero imaginar. A qualidade desse anime está inquestionável. Até mesmo a trilha sonora é incrível. Essa história impactante fala sobre máfia, gangues, tráficos, drogas, estupro e prostituição. Então, existe muita violência e, consequentemente, tragédia. Muitas pessoas acham que é um yaoi. É claro que quem gosta pode até levar para esse lado. Acho até impossível que não façamos essa ligação, por causa das coisas que acontecem, mas não é, de fato, um yaoi.  


            O enredo envolve um adolescente que é um dos mais temidos líderes de gangues nas ruas de New York. Quando ainda criança, foi adotado por um poderoso chefe da máfia e, a princípio, foi feito de brinquedo sexual. Ao mostrar tamanha inteligência, passou a ser criado como herdeiro e treinado como um verdadeiro guerreiro, se tornando um assassino cruel e frívolo. Depois de muito trabalho, ele conseguiu montar sua própria gangue. Um dia, quando andava pelos becos, acaba encontrando um homem ferido, que estava sendo perseguido. Esse homem pede por socorro, lhe entrega algo e diz para ele ir até um lugar e procurar sobre “banana fish”. Esse nome era semelhante a algo que já havia escutado antes, da boca do seu querido irmão, que estava paralisado, após ingerir uma droga. O gangster começou a tentar descobrir o que era essa droga. Em meio a isso, o chefe da máfia, a qual ele pertenceu por um bom tempo, o convocou, interessado em saber o que o homem que morreu diante dele lhe disse, mostrando profundo interesse no conteúdo em que ele estava pesquisando. No entanto, ele fingiu não saber de nada, embora, para esse senhor do crime, já fosse claro o que estava acontecendo.


            Uns dias depois, dois fotógrafos do Japão, que queriam fazer um documentário das gangues de New York, com proteção da polícia, pedem para que pudessem entrevista-lo e tirar algumas fotos. Entre eles, havia esse jovem fotógrafo japonês, que mesmo diante de uma gangue parecia animado. Não se sabe se era ingenuidade ou por ser espontâneo. Sem temer, chegou a esse adolescente, o chefe da gangue, pedindo para tocar a sua arma.  Todos ao seu redor pareciam apavorados, mas, enquanto encaravam um ao outro, ele lhe entregou a arma. Aquela ação sem um pingo de medo e o olhar honesto o fizeram admirar o quão corajoso esse japonês estava sendo. Durante a entrevista e enquanto o jovem japonês conversava com uma criança que fazia parte da gangue, o local é invadido por um grupo rival. Em meio a tiros e pancadaria, o jovem jornalista é levado a se esconder pela criança, que, apesar de tão pequena, estava protegendo-o com muita garra. Todavia, o garoto e o japonês foram sequestrados. Sem pensar nem por um segundo, mesmo sabendo que isso era uma cilada, ele não hesitou e foi atrás. E agora? Quem são as pessoas relacionadas a isso? Que droga é essa? Em que tipo de situação esse ingênuo japonês, de um país de paz, está para viver em um mundo de crimes? O que o destino reserva para essas duas vidas opostas?


            “Humanos podem ser engraçados, eles não entendem a morte, mas eles a temem instintivamente. Houve tantas vezes que eu senti que a morte seria melhor.”

            Ash Lynx é um adolescente de 17 anos, um respeitado e temido líder de uma gangue.  Seu verdadeiro nome é Aslan Jade Callenreese. Ele é dono de uma beleza desconcertante, superiormente perspicaz, tem habilidade monstruosa de atirar e um carisma capaz de, facilmente, influenciar as pessoas a sua volta. Desde que se entende por gente, ele só lembra da sua vida sendo manchada com cores escuras. Quando bebê, foi abandonado por sua mãe, que fugiu com outro homem. Foi criado pelo seu irmão mais velho, já que até seu pai, que não suportava o fato de ter sido deixado, passou a viver em outro lugar.  Depois que seu irmão foi servir ao exército, aos 8 anos ele foi estuprado. O que me deixa mais furiosa é que mesmo o pai dele sabendo, não fez nada. Assim, Aslan, ainda uma criança indefesa, era estuprado constantemente, até que, um dia, ele matou o abusador. Ao fugir, foi adotado por um mafioso cretino, que o fez seu brinquedo sexual. Depois, o fez se prostituir por um bom tempo. Até que, com sua inteligência superior, ele conseguiu mudar de posição e foi treinado para ser uma verdadeira máquina. Se tornando um assassino implacável, junto de sua beleza e carisma, ele tem conquistado as ruas. Mesmo que Ash não tenha sequer estudado em escolas, diferentemente dos demais que tiveram uma vida igual a dele, tem um QI 200. Consegue estudar por conta própria e, assim, é muito mais sábio do que muitos do ensino superior. Ele pode ter o mundo em suas mãos, se quiser, mas nada disso o atrai. O que ele realmente deseja é liberdade. Ash não demonstra fraqueza, não confia e não deixa ninguém se aproximar mais que a distância de seus braços. Com exceção de algumas pessoas, como seu irmão, seu melhor amigo Shorter e Skip. Mesmo ele não demostrando, por dentro está tomado por uma dor e solidão irremediáveis. Seu coração está constantemente sangrando. Essa vida submersa na escuridão passou a receber alguns raios de luz quando Eiji, o fotógrafo japonês, entrou nela.


            “Tudo que eu consegui daquele velho são coisas falsas. Agora estou feliz, porque sei que ao menos uma pessoa, um cara, se importa comigo, sem esperar nada de volta. Não creio o quão sortudo eu sou. É o sentimento mais feliz do mundo.”
            Não dava para saber que aquele primeiro momento, quando eles encararam um ao outro, causaria efeito na vida deles. Enquanto Ash sondava o que fazia essa pessoa se aproximar sem um pingo de temor, foi percebendo várias coisas. Não demorou muito para ele ser cativado. Esse cara, que era mais velho, mas parecia mais novo que ele, conquistou o nível de confiança que ninguém havia conquistado antes. Ash sentia que, quando Eiji estava ao seu lado, era contagiado por sua honestidade e bondade. Ele era abraçado pelo caloroso sentimento que era transmitido de forma tão natural por essa pessoa. Ele se sentia completo, sentia que, apenas ao lado dessa pessoa, poderia ser aquele “eu” dele, que foi manchado com tanta escuridão. Ash havia encontrado o seu refúgio, onde poderia repousar e ser amado, sem ter que dar nada em troca. Ele poderia ser aceito, mesmo sendo quem era. Esse sentimento era algo que ele não trocaria por nada. Essa pessoa ele não trocaria por nada, nem mesmo pela sua própria vida. Porém, quanto mais ele amava Eiji mais medo e vergonha de si mesmo ele tinha. Afinal, não passava de uma máquina que matava pessoas como se não fossem nada.  Suas mãos e corpo estavam sujas. A liberdade que desejava era só um sonho impossível. Ash sabia que o mais corretamente seria se afastar Eiji e o fazer voltar para o Japão, onde viveria longe desse inferno. Mesmo sabendo que isso era o melhor, não conseguia aceitar. Se ele fosse esse foco de sublime felicidade, iria junto, mas o medo constante de perdê-lo o assombrava a todo momento. Assim, Eiji se tornou o maior ponto fraco de Ash.


            Eiji Okumura é japonês, um ex-atleta da modalidade salto com vara que teve que abandonar o esporte depois de uma lesão. Assim, passou a se dedicar à fotografia. Como estava angustiado por ter que deixar o que havia se dedicado tanto, Ibe, um fotógrafo profissional conhecido, o contratou como assistente para ir nessa viagem aos EUA, com o objetivo de fazer um documentário das gangues de New York. Apesar de Eiji ter 20 anos, tem estatura e aparência de ser muito mais novo. Ele é uma pessoa altruísta, muito gentil, sincero, honesto, compreensível e racional. É inocente e muito corajoso. Pode ser muito curioso diante de uma coisa que desconhece, como seu interesse em pegar a arma de Ash. Quando se trata desse mundo cheio de violência e dos costumes americanos, pode ser muito ingênuo, mas é perspicaz em relação aos sentimentos das pessoas ao seu redor. Mesmo que, logo no começo, tenha passado por uma experiência horrível, em que quase foi morto, não quis se afastar e fugir feito um covarde.  Ele expressou preocupação sincera com a situação que Ash estava passando e não quis sair de perto enquanto não fosse resolvida. Eiji contagiou muitas pessoas com seu jeito sereno e natural de ser, as deixando confortáveis com sua presença e desabrochando nelas a forte vontade de protegê-lo. Principalmente da parte do líder da gangue, Ash, a pessoa que todos temiam, mas ele não sentia qualquer medo diante de sua presença.


            “Eu queria proteger você do destino. Do destino que faz você se afastar, cada vez mais longe.”
            Quem poderia imaginar que essas duas pessoas de vidas distintas, em um curto espaço de tempo, formariam um vínculo inquebrável? Conforme eles viviam situações perigosas, mais Eiji sentia que queria ficar ao lado dessa pessoa. Mesmo que não pudesse protegê-lo fisicamente, por ser relativamente mais fraco e não ter qualquer habilidade de combate, ele queria protegê-lo com sua vida e com seus sentimentos. Ash era uma pessoa ferida, que toda noite sofria com pesadelos inimagináveis durante o sono e com essa indescritível solidão. O que ele poderia fazer para proteger essa pessoa desse destino tão cruel? Eiji sabia que, ao estar ao lado dele, corria perigo, e que representava perigo também para Ash. Mesmo assim, em seu coração, não conseguia aceitar ficar longe. Os poucos momentos que eles não estavam diante do olhar do outro eram como o inferno. Só o fato de não estar ao lado parecia que, a qualquer momento, um perderia o outro. Mesmo Ash sendo quem era, Eiji decidiu ficar ao lado dele e confiar inteiramente. Para proteger essa pessoa, ele iria contra qualquer princípio. Eiji passou por situações inimagináveis. Foi sequestrado e quase morto várias vezes. Até mesmo quase foi abusado.  Viu pessoas morrendo, porém, a coisa mais assustadora que ele presenciou foi ver o Ash à beira da morte. Eiji nunca implorou tanto em oração para não perder essa pessoa que lhe era tão preciosa. Não tinha como esconder: eles se amavam como amantes, mais que isso, eram almas gêmeas que não dependiam de um único sentimento para se definirem. Não importa o quanto eu pensasse, não conseguia interpretar qual era a relação desses dois. Seria mais fácil pensar que são amantes, mas eram mais que isso. Foi aí que, conversando com uma amiga, ela disse: “...Almas gêmeas que não dependiam de um único sentimento para se definir.”. Eu me emocionei no momento que li, porque é exatamente isso. Estou completamente apaixonada por esses dois. Eu queria tanto que eles pudessem ser felizes. Queria tanto que o Ash, pudesse ser livre, junto dessa pessoa que extrai o melhor dele sempre.


(Atenção: os próximos dois parágrafos têm spoiler de nível alto)
            Shorter Wong é o líder da gangue chinesa, que controla “Chinatown”, um bairro chinês de New York. Ele é o melhor amigo de Ash desde que se conheceram na prisão juvenil, há alguns anos atrás. Ele tem uma aparência exótica, é animado e extremamente leal. Ele se importa muito com seu amigo e faz tudo que é possível por ele, sem hesitar. Até mesmo partiu junto dele para uma jornada em busca da verdade sobre “banana fish”. No caminho, acabou sendo traído pela máfia chinesa, que ameaçou sua família, caso não obedecesse a sua ordem de ser o traidor de seu amigo, delatando tudo que ele fazia e fazendo o que a máfia mandasse. Isso foi como um inferno, mas não poderia arriscar a vida de sua irmã, que sempre o protegeu, desde criança. Porém, por ele ser um traidor, estava disposto a tirar sua própria vida, depois que protegesse Eiji, o qual ele mesmo entregou ao inimigo. Mais tarde, ele foi drogado com “banana fish” e recebeu o comando de matar Eiji. Não sendo capaz de se controlar, implorou para que seu amigo o libertasse.


            Sing Soo Ling é um adolescente de 14 anos, o atual líder da gangue que controla “Chinatown”. É um garoto determinado, ambicioso, inteligente e leal. É uma pessoa lógica e tem um coração muito gentil. Tem uma ótima habilidade de liderança, por isso, mesmo sendo tão novinho, todos confiam muito nele. No entanto, ele não desejava liderar nada. Até o fim, ele acreditou no retorno de Shorter, mas descobriu que seu líder havia sido morto por Ash. Custava-lhe acreditar nisso, mas o próprio confirmou tê-lo feito.  Mesmo querendo matá-lo por vingança, se sentiu intimidado, pois não era capaz de ir contra essa pessoa que demonstrava tanto poder. Mais tarde, por causa de diversas situações, passaram a trabalhar juntos, dessa vez um pouco mais calmo, após descobrir o que de fato havia acontecido. Não pode revelar a verdade para seus seguidores, que ficaram totalmente contra, mas seguiram as ordens. Sing, no fundo, tinha uma admiração muito grande por Ash, e isso era algo difícil de se livrar, mesmo sabendo que tinham que ser inimigos, no final. Sing também se apegou muito a Eiji, em quem passou a confiar. Eles se tornaram bons amigos, depois de uma série de situações. Depois de 7 anos, no especial do mangá, mostra que Sing está morando com Eiji, nos EUA. Algumas coisas que ele conversava secretamente com Ash me fizeram entender que, talvez, Sing tenha sentimentos por Eiji, mas pode estar relacionado à culpa. Então, não sei ao certo, já que estava em inglês. Eu sou péssima nisso. 


            Yut Lung Lee é um chinês, um adolescente de 16 anos. É filho casula da família Lee, a maior família da máfia chinesa. Ele é bonito e de aparência frágil. Pode facilmente ser confundido com uma garota. A princípio, parecia ser uma pessoa calma, estoica, educada e inofensiva, mas se revelou ser jovem de coração frio, impiedoso, calculista e rancoroso.  Guarda profundo ressentimento de seus meios-irmãos, que estupraram e mataram sua mãe na sua frente, depois da morte de seu pai, quando ainda era pequeno. Depois disso, o que o manteve vivo foi a sua vontade de acabar com toda a família Lee. Assim, ele permaneceu por um bom tempo sendo o brinquedo de seus irmãos, até que a oportunidade chegasse. Yut Lung conheceu Ash e Eiji e se tornou totalmente hostil com os dois, principalmente com o Eiji. A princípio, não entendia bem, mas depois percebi que o motivo dele ser assim é porque, no começo, ele acreditava que Ash era como ele, totalmente submerso na escuridão. Ao perceber que ele tinha uma luz em sua vida, se tornou totalmente invejoso e queria destruir isso a todo custo. Yut Lung tem, às vezes, umas atitudes contraditórias. No fundo, acho que ele não queria fazer mal a ninguém, mas precisava de um motivo para viver, depois que conseguiu atingir seu principal objetivo. Então, fez do seu principal alvo o Ash e o Eiji. No fundo, é só uma criança ferida que deseja ser amada, assim como Ash.


            Max Glenreed é mais conhecido como Max Lobo. É um jornalista extremamente habilidoso. Ele serviu ao exercito junto do irmão de Ash. Foi quem atirou nas pernas dele, quando perdeu o controle por ter sido drogado com “banana fish”.  Depois daquele tempo, acreditou que ele havia morrido, mas nunca desistiu de investigar o que era “banana fish”.  O Ash acaba o conhecendo dentro da prisão. Ebi, que o conhecia, pediu para ele ajudar Ash e o proteger, porque muitos queriam mata-lo lá dentro. No começo, acreditou que era só uma criança, depois o descreveu como demônio. Só um pouco mais tarde, eles acabaram descobrindo que tinham algo em comum, o irmão. Ash, ao descobrir que ele havia atirado nele, o deixando para morrer, jurou que o mataria. No desenvolvimento, acabaram se entendendo. Max ajudou muito o Ash. O tempo todo arriscou sua vida e torceu para que tudo desse certo na vida do garoto.


            Dino Golzine, conhecido como “Papa”, é um grande chefe da máfia de New York.  Como é de se esperar de um chefe, Golzine é implacável, frio, calculista, ambicioso, sádico e abusivo. Ele tem interesse sexual por garotinhos, o que o faz ser um verdadeiro pedófilo nojento. Adotou Aslan quando ainda era uma criança e o fez seu brinquedo sexual. Ainda o tratou como mercadoria, colocando-o em seu prostíbulo. Depois do garoto mostrar ser muito inteligente, passou a deseja-lo como seu herdeiro. Assim, o moldou como quis. Ash não estava disposto a seguir o papel que lhe foi dado de jeito algum. Dino é o principal vilão, um velho odioso, por quem eu sinto um profundo ódio. É uma pena que Ash tenha caído nas mãos de um ser tão desprezível. Papa queria, de qualquer jeito, forçar Ash a seguir os seus passos. Ele tinha uma grande obsessão pelo garoto. Golzine tem um grande interesse pela droga “banana fish” e deseja dominar o mundo através disso.
            “Banana fish” é uma droga feita pelo cientista Alexis. Essa droga foi feita para controlar a mente humana, no entanto, o efeito colateral dela pode ser terrível, causando sérios problemas neurológicos ao usuário. Por essa razão, Alexis tentou se livrar dessa experiência, mas seu ambicioso irmão mais novo acabou o roubando e fazendo sua primeira experiência no campo de batalha, usando o irmão mais velho de Ash. Depois, acabou indo trabalhar para o Golzine, que se interessou muito.  
            Esses são os principais personagens desse anime. Tem mais um que até gostaria de falar, mas como só aparece quase no fim do anime, vou deixar para vocês conhecerem quando assistirem. Como vocês podem ver, “Banana fish” causou-me grande impacto. Fui conquistada de forma avassaladora pelos personagens, tanto que nem consigo falar, só sentir. Com toda certeza, se tornou um dos meus animes favoritos. Não tem um romance, mas tem a profundidade e a intensidade que eu gosto. Esses animes que mexem com minha estrutura costumam ser meus favoritos. Fui realmente tocada pela vida de alguns dos personagens. INDICADÍSSIMO!!!!



Gênero:   Crime, Ação, Suspense, Drama , Aventura, tragedia
Autor: Akumi Yoshida 
Mangá:  19 Volume 
Anime:   24 episódios 
0 comentário

Projeto: futuros cosplays


     

       Na semana passada, compartilhei aqui os projetos de cosplay que irão, finalmente, sair do papel nesse primeiro semestre do ano. Se você não viu ainda, te convido a conferir (clique aqui). No ano passado, eu fiz uma lista de cosplays para compartilhar o que eu pretendia fazer (clique aqui). Naquela época, a lista era grande, mas não tanto quanto hoje. Tirando os projetos que já vão sair, ainda tenho muitos projetos que desejo realizar e, se der certo, alguns sairão no próximo semestre desse ano ainda. Quando você pega o gosto pelo cosplay, ser aquele personagem que você tanto ama não é mais um sonho banal, pois você pode ser, se quiser. Então, quanto mais assisto novos animes e leio novos mangás, mais aumenta o risco dessa lista só crescer. Então, vamos lá para a lista atualizada do momento.


            Em 2018, eu me apaixonei pela fada Elaine, do anime “Nanatsu no taizai” (cliqueaqui). O grupo de cosplay que faço parte estava animado com esse anime, embora eu nunca tivesse assistido, até então. Eu pensava: “se for fazer grupão, acho que farei a Elizabeth.”. Pensei isso porque era a única que eu conhecia de vista e a achava bonitinha. Porém, sabia que poderia mudar de ideia quando assistisse. Minha senpai sugeriu que eu ficaria bem de Elaine. Então, para não ficar em cima do muro, fui assistir ao anime de uma vez. Fui totalmente absorvida pelo anime e, como eu já esperava, descartei a Elizabeth. Quando conheci a Elaine e seu amado, me apaixonei profundamente. Esse é um projeto que espero que saia ainda nesse ano, já até comprei os tecidos necessários. 


            No ano passado, fiz duas versões da Sakura, do anime “Tsubasa Chronicles” (cliqueaqui). Contudo, ainda existe mais uma versão dela que pretendo fazer. Esse é, com certeza, um dos trajes mais caros dela. Possivelmente, será o traje mais caro que farei, entre todos os outros. Chega a dar uma pontada de nervoso. Porém, para mim, é um sonho insubstituível. Esse vestido é tão lindo! Já até combinei com o meu Syaoran que iremos fazer essa versão juntos. Se der certo, quem sabe, fica pronto para o fim do ano.


            Ainda esse ano, eu farei o cosplay da minha amada Yona Hime, do anime “Akatsuki no Yona” (clique aqui). Porém, tem mais uma versão dela que pretendo muito fazer, que é dos tempos dela como princesa que vivia no castelo, sem saber absolutamente nada sobre o mundo fora dos portões. Já comprei a peruca. Agora, é esperar o traje. Será outra roupa cara. Não tanto quanto a da Sakura, mas vai ser equivalente. Não tenho data prevista para ela ainda, mas espero que seja o mais breve possível.


            A personagem Akane Tsunemori é do anime “Psycho - pass” (clique aqui). Não é que eu tenha uma conexão profunda com essa personagem, mas eu gosto muito dela, por isso decidi fazê-la. Ainda mais que também tenho parceiro. Estou bem animada para esse cosplay. Já tenho a peruca e o traje, mas faltam acessórios, inclusive a arma. Não sei ao certo quando sairá, de fato, espero que não demore muito.


            A personagem Historia Reiss, do anime “Shingeki no Kyojin” (clique aqui), teve o seu photoshoot ano passado. Porém, é o meu sonho fazer a versão dela rainha. Não sei ao certo quando isso será possível, mas é um projeto que estimo.


            A Ia, do “Vocaloid”. Esse ano, farei a versão oficial dela, mas tenho outros dois projetos para ela: o traje de enfermeira e um Sandplay. Como não havia, de fato, os trajes dela nessa versão, eu mesma escolhi como quero que seja. Estou animada para essa também. Sairá, primeiro, a versão enfermeira.


            A personagem Haruhi Fujioka, do anime “Ouran highschool host club” (clique aqui).  O projeto, ainda não sei ao certo quando saíra, mas pretendo fazer vários casuais, ainda esse ano. Também é um projeto em grupo. Pretendo fazer o traje do uniforme masculino, mas também quero muito fazer o feminino. 


            A personagem Kyoko Mogami, do anime “Skip beat” (clique aqui). Tudo indica que sairá, ainda esse ano, duas versões que quero fazer dela: a versão de macacão rosa, que é a tradicional, já comprei tecido, falta só mandar fazer, e a versão Setsu, já comprei tudo necessário, falta só personalizar a peruca. Da versão anjo, não tenho uma previsão, porque o traje vai ser meio caro também. Ainda pretendo fazer a versão ninja, mas como ainda não saiu, é só uma suposição que farei. Nesse ano, pretendo, também, gravar o CMV que já fiz o roteiro com minha parceira há um ano.


            A Sailor Michiru Kaiou é do anime “Sailor moon”. Já comprei a peruca para ela e pretendo fazer duas versões: a roupa tradicional de Sailor e o uniforme escolar. Confesso que estou muito mais animada para o uniforme. Estou procurando um xadrez verde lindo para fazê-lo, mas até agora não tive sucesso. A minha parceira pretende fazer as mesmas versões que eu, estou bem feliz com isso. Já da pra rolar alguns casuais, então, talvez não esse ano, mas pretendo fazer CMV e o photoshoot casual.


            Eu sempre amei muito a Rukia, do anime “Bleach” (clique aqui). Então, decidi que quero muito fazer essa personagem. Não sei quando ainda, porque têm muitos projetos que quero fazer, mas pretendo fazer a versão Shinigami e a escolar, futuramente. Acho que a escolar é mais fácil fazer logo. Bem que gostaria de encontrar um Ichigo, para fazer aquele shippe dos sonhos.


            O príncipe Soma, do anime “Kuroshitsuji”, (clique aqui). Foi o segundo personagem masculino que decidi fazer. Não tenho confiança alguma em fazer, mas gosto tanto dele, que não escolheria nem um outro. Porém, sei muito bem que ele é um verdadeiro desafio, não só por ser homem, mas por causa da cor da pele também. Por ser indiano, vocês já têm uma ideia da cor de sua pele. Contudo, peguei confiança após ver um cosplayer muito mais branco que eu o fazendo, com uma maquiagem impecável. Já comprei  os tecidos para fazer o traje. Tenho muita fé que esse sairá no próximo semestre. Por enquanto, ainda nesse semestre, quero muito um casual. Já temos até ideia de CMV. Uma das coisas que mais me deixaram feliz foi saber que vou ter um parzinho meu mordomo.


            A personagem Shirayuki é do anime “Akagami no Shirayukihime” (clique aqui).   Fiquei muito apaixonada pela garra dessa personagem, por ser alguém tão pé no chão, que chega a iluminar meu coração. Por essa razão, desejei muito fazer essa personagem. Farei a versão farmacêutica real dela. Quem sabe, no futuro, faça uma outra versão dela. Meu sonho é ter um príncipe Zen. Será que consigo atrair alguém para esse lado da vida?


            A personagem Koko Hekmatyar do anime “Jormungand” (clique aqui). É uma personagem que estou muito animada para fazer, embora tenha algumas dificuldades.  Tecnicamente, o traje está pronto e a peruca também. Porém, como ela é uma traficante de armas, estou pensando o que posso fazer a respeito de conseguir um ambiente proporcional à personagem.


            A Nike Lemercier, do anime “Soredemo sekai wa utsukushii”. Eu sou apaixonada por esse anime e pelos personagens. Quando bati o olho no Livius, achei a cara da minha amiga Kohana e falei: “Seja meu Livius, onegai!!!”. Estou muito ansiosa para fazer essa personagem. Será o meu primeiro par oficial com a Kohana. Ainda não tenho nada dessa personagem, nem sequer previsão, mas, se tudo der certo, deve sair ano que vem.


            A personagem Tohru Honda, do anime “Fruits basket” (clique aqui). Para ser sincera, nunca havia pensando em fazer essa personagem, até então, mas esse desejo, talvez, não havia surgido porque, na época que assisti, não fazia cosplay. Porém, agora que foi anunciado que sairá um remake e a minha amiga me convidou para fazer parzinho com ela, sendo a Tohru, estou muito feliz pelo convite e nem pensei muito. Eu amo essa personagem. Não tenho ainda uma previsão para quando será esse projeto, mas acredito que devemos nos empolgar assim que sair o anime novo.


            O personagem Haru Kaidou, do anime “Super lovers” (clique aqui). Eu sou apaixonada por essa história e pelos personagens. Sempre quis fazer um parzinho yaoi com a minha amiga Kohana. Finalmente, encontramos um parzinho para fazer e estou muito feliz, porque amo muito esses personagens. Esse vai ser outro desafio. Algumas pessoas se espantam quando eu falo que vou fazer personagem masculino, mas isso é um assunto para outra postagem.
            Além desses personagens, que já são vários, ainda tem a Kofuku, que não faço ideia quando sairá, por ser muito difícil fazer sua roupa e comprar no Aliexpress está caro.  Tem o Kazama, que é um personagem masculino também. Esse projeto só começará quando a personagem principal der início ao projeto dela, então, por enquanto, está parado. Tem as versões femininas que quero fazer de alguns personagens masculinos, como: Kaneki Ken, Naruto the last e Zoro. Não sei se esqueci de algum, mas acredito que, no momento, são esses. Tem alguns projetos em mente para o futuro, mas esses, muito provavelmente, sairão na lista atualizado de 2020.
            São muitos, né? Ultimamente, ando tendo medo de ver novos animes por isso. Esse desejo incontrolável de fazer cosplay de personagens que amo é tão difícil de controlar! Por isso, ao invés da lista diminuir, só cresce. Espero que vocês continuem me apoiando e acompanhando. Obrigada!!!

0 comentário