Kyou kara Maou

           

           No meu tempo de Fujoshi, encontrei esse anime Shonen-ai (se não sabe o que é, clique aqui). Fui toda empolgada assistir por causa da possibilidade de ter um romance entre garotos, mas, embora exista claramente tal sentimento entre os personagens ou um laço de amizade que nos faz shippar, a taxa de romance é extremamente baixa. Ou seja, nada realmente acontece. Entretanto, mesmo ficando frustrada com isso, eu acabei  amando esse anime, pois ele tem um enredo tão elaborado e gostoso de assistir, personagens tão atraentes e divertidos, que 117 episódios foi pouco. Sabe aquele anime que você assiste sem se forçar? Ele não é pesado e cada dia tem episódios e arcos interessantes, que nos fazem querer simplesmente devorar sem pressão qualquer. Por esse motivo, até assisti mais uma vez, pois já fazia 5 anos que eu havia assistido e bateu uma louca saudade de ver novamente. Como esperado, ele me deixou com gostinho de quero mais e aquela sensação de ter me despedido de alguém que nunca poderei ver novamente.
            A história envolve um estudante comum que, em um dia normal, acaba vendo uns delinquentes atormentando um conhecido. Ao tentar ajudar, o colega foge, o deixando nas mãos dos delinquentes, que acabam por enfiar a cabeça dele no vaso do banheiro público. No momento em que sua cabeça  encosta na água, algo muito sinistro acontece. Quando o estudante se da conta, não se encontra mais onde estava. Será que isso era um sonho? Pessoas começam a aparecer, falando uma língua que ele não entende, parecem assustadas e jogam pedras nele. Um homem grande o ameaça com sua espada, até que faz algo em sua cabeça e ele passa a entender o que as pessoas estão dizendo. Achando que onde estava se tratava de um parque temático, ele estava crente que tudo aquilo só podia ser brincadeira de mau gosto.
            Entretanto, homens em seus cavalos, que começam uma luta, dizem que vieram para o salvar e estão chamando-o de rei. Um deles até mesmo sabe o seu nome. Depois de ser salvo, embora ainda acredite que tudo isso só pode ser brincadeira, ele escuta atentamente a explicação daquelas pessoas. Elas dizem que onde ele está se trata de um mundo paralelo e que o motivo dele ter ido para lá é que ele é o Maou (rei dos Mazoku),  do país Shin Makoku, e que os Mazoku são pessoas com poderes especiais. A sua missão como Maou é proteger o seu país dos humanos que estão sempre  ameaçando a paz dos Mazoku. Embora ele ainda quisesse acreditar que tudo isso era apenas um sonho, a verdade é que tudo era real e, agora, um garoto de 15 anos está em um mundo estranho, com uma missão a qual não faz ideia do que, de fato, deverá fazer.


            Yuuri Shibuya é um estudante de 15 anos, alegre, amigável e tem um coração extremamente caloroso. Embora more no Japão, a verdade é que nasceu na América e  tem uma família muito amorosa. Quando partiu para o outro mundo, descobriu que era o 27º Maou do país de Shin Makoku. Embora tudo isso parecesse muita responsabilidade para um garoto aparentemente sem qualquer poder, uma vez que ele viu que não tinha escolha, não hesitou em ajudar, mesmo que um pouco dele quisesse que tudo fosse somente um sonho. Logo ele passou a ter conhecimento de seu imenso poder e a cada dia que passava, a cada detalhes em que ele havia de resolver, acabou amando seu país e o seu povo. Com o seu jeito caloroso, acabou mudando as pessoas ao seu redor, fazendo-os apoiar o seu objetivo, que era construir uma era em que os Mazoku e os humanos pudessem viver em paz, que eles pudessem coexistir. Tudo isso, Rei, o Yuuri, evitando conflitos e guerras e usando só o seu bom coração, foi capaz de arrastar muitas pessoas para sua causa, conquistando muito respeito por onde passava. Eu aprendi a amar muito esse personagem. Sua inocência, às vezes, faz as pessoas acabarem se aproveitando, entretanto, ele não está disposto a mudar sua forma de ver o mundo só porque alguém o traiu. Está sempre disposto a ajudar todos a sua volta, não importando que tipo de pessoa seja, mesmo que isso arrisque sua vida.


            Conrart Weller, mais conhecido por  Conrad, é o segundo filho do anterior Maou com um humano um grande espadachim que faz parte de uma das três famílias reais.  Meio irmão de  Gwendal e Wolfram. No passado, ele  era conhecido como um homem terrível e rígido, entretanto, agora, aparenta ser um homem calmo e de bom coração. Suas habilidades de esgrima são excepcionais e, por ser filho de humano e Mazoku, acabou por não ter poderes, mesmo assim é um dos homens mais fortes. Conrad já sabia o nome do atual Maou, pois antes dele nascer, havia ido para a Terra para cumprir uma missão em que ele acabou conhecendo a mãe de Yuuri. Na verdade, foi o próprio Conrad que deu a ideia de por o nome de Yuuri no bebê e acabou por ser o nome escolhido. Ao conhecer essa criança, sua vida mudou.  Sabendo já do seu destino, ele jurou o proteger. Então, agora, Conrad é o braço direito de Yuuri e desde que ele pisou nesse novo mundo, não deixou o seu lado nem um momento. Ele é quem apoia o adolescente emocionalmente e é o homem de mais confiança do Maou. Existe uma ligação muito bonita entre eles, dá até pra shippar.


            Wolfram Von Bielefelt é o filho mais novo do antigo Maou e meio irmão de Conrad e Gwendal. Ele é um rapaz tão bonito, que até mesmo pode encantar os homens. Sua personalidade é um tanto egoísta, arrogante e tem cabeça quente, entretanto, também é vil, compassível e muito confiável. Quando conheceu Yuuri pela primeira vez, não o aceitou muito bem, até mesmo ofendeu a mãe dele, o que levou  Yuuri a deixar o seu lado que odeia conflito e o acertar com uma bofetada na face esquerda do garoto. Porém, nosso Rei Yuuri ainda não sabia sobre significado daquele ato nesse mundo: é que, uma vez que você da uma bofetada do lado esquerdo do rosto de alguém, nesse país, você está propondo noivado. Wolfram, vendo que ele não entendia nada sobre a cultura do país, aproveitou seu momento de raiva e jogou os talheres ao chão e Rei Yuuri cometeu o segundo erro: recolheu a faca que caiu diante dele, o que quer dizer que ele aceita duelar com quem derrubou.


            Sem poder fugir, ambos acabam em um duelo. Foi aí que todos acabaram tendo noção de quão poderoso esse Maou poder ser. Depois de Wolfram perder duas vezes para Yuuri, ele se tem por satisfeito e passa a aceitá-lo e o proteger como seu novo Maou e também como seu noivo. Embora o Yuuri não leve muito a sério esse negócio de noivado, Wolfram leva muito e até mesmo cuida para que ele não traia, além de estar sempre se esgueirando para dormir junto de Yuuri. No começo, o jovem Rei brigava muito com ele, mas agora nem liga mais.  Da para ver claramente que o Wolfram gosta muito do Yuuri, de verdade, e que ele realmente se apaixonou, mas ele não é correspondido à mesma altura. Fico muito impaciente, tentando imaginar como será no futuro, quando finalmente o Rei for um adulto. Ele vai realmente aceitar o amor de Wolfram ou vai se casar com outra pessoa? Eu shippo muito e uma das minhas coisas favoritas é ver como ele, Wol-chan, trata seu noivo e seus ataques de ciúmes. Mesmo Yuuri não parecendo aceitar, tem muitos momentos em que eles parecem realmente ser comprometidos. Não em troca de afetos nem nada, mas a forma que se apoiam um no outro, como se já fossem casados muitas vezes. Tão fofo! Já ia esquecendo de falar que, nesse mundo, não há problema algum em homem ter relacionamento com o homem, pois é supernormal.


            Gwendal Von Voltaire é o filho mais velho do antigo Maou e meio irmão de Conrad e Worlfram. É um homem de face severa, mas atrás de tanta rigidez, existe um homem que ama coisas fofas e adoráveis, até mesmo faz tricô por hobby. No começo, não aceitou nem um pouco o novo Maou, que além de ter vindo de fora, não inspirava confiança. Porém, como Yuuri havia sido escolha do Rei original, ele não ousou combater, mas não confiava nem um pouco. Com muito custo, vivendo algumas  “aventuras e perigos” do lado do novo Maou, passou a respeitá-lo e criou desejo de realmente o proteger e o apoiar.  Ele está sempre cuidando dos assuntos sérios do país, sempre considerando o bem estar só de seu país acima de qualquer um outro. Embora Gwendal não demonstre muita emoção, a verdade é que ama muito a sua família e cuida deles à sua maneira. Mesmo que pareça ser um homem que não tem nada e nem ninguém que o amedronte, existe uma pessoa, em particular, que o faz tremer de medo: sua amiga de infância que é louca por experiências e, desde pequenos,  sempre o usava como cobaia.


            Günter von Christ  é um  dos dez aristocratas do país, professor e conselheiro do Rei Yuuri. Ele também  é um excepcional  espadachim e um Majustu muito poderoso. Um homem caprichoso e poético, tem muito apego pelo Rei Yuuri, basicamente o venera. É o ar que ele respira. Trata seu novo Maou, à primeira vista, com muito carinho, admiração e respeito. Foi basicamente o segundo a segui-lo cegamente, sem esperar prova qualquer vinda dele, pois já acreditava fortemente que ele será extremamente poderoso. Günter é um homem maduro, de longos cabelos, que na minha imaginação é muito lindo. Tem uma filha adotiva que trabalha no castelo como médica. Günter cuida de muitas coisas importantes no castelo.

            Tem muitos outros personagens e coisas que eu deveria falar sobre, entretanto, muitos dos personagens que eu gostaria de falar são de extrema importância, então poderia revelar coisas que vocês descobrirão com o tempo, tornando a história mais intrigante. Acho que deixei de explicar algumas coisas, mas acredito que só isso dá para ter uma ideia bem legal de todo o anime. Eu sou suspeita, pois amo esse anime e confesso que estou com uma dorzinha no coração por ter acabado. Indico com toda a certeza, por ser um anime muito, muito bom para todos os tipos de pessoas. Mesmo sendo Shonen-ai, não tem romance nenhum, a não ser os conflitos que disse acima. Aprendi muito e levarei muitas coisas boas desse enredo maravilhoso. 


Gênero:   Shonen-ai, comedia, Aventura, Fantasia
Autor: Tomo Takabayashi
IlustradorTemari Matsumoto

Mangá:   19 Volumes 

Anime: 117  episódios + 5 ovas 

Light Novel:  22 Volumes

0 comentário

Postar um comentário