A vida de uma colecionadora


            Não sei bem quando isso começou, mas, quando me dei conta, eu já colecionava várias coisas inconscientemente. Canetas diferentes, meias-calças, meias para usar com tênis e canecas. Essas são as coisas do meu dia-a-dia que eu nem havia me dado conta de que eram, na verdade, uma coleção. Foi em 2012 que me tornei, oficialmente, colecionadora de mangás, com a minha pequena coleção, que nem enchia uma pequena prateleira, mas eu já tinha muito orgulho. Com o passar dos anos, a minha coleção só vinha crescendo mais e mais, e não havia nada que me deixasse mais satisfeita do que aquele dia em que eu fazia uma visita a uma banca e saía de lá saltitante com meus exemplares em mãos. Porém, apesar de eu estar satisfeita com meus livros ilustrados de histórias maravilhosas, não demorou muito para eu começar uma nova paixão: as benditas action figures.
            Se você acha que gasta muito com mangás, é porque você ainda não começou a colecionar figures. As minhas primeiras foram uma figure pequena do Rin, de “Ao no exorscist” e uma do Niizuma, de “Bakuman”. Esse foi o gancho que me levou a comprar outros pequenos, porque são um pouco mais baratos. Até que, um dia, acabei me apaixonando loucamente por uma figure grande da Sakura Kinomoto, de “Cardcaptor Sakura”, juntamente da figure da Sakura, de “Tsubasa Chronicles”. Eu nunca havia comprado uma mais cara que R$90,00. Dei um salto grande e comprei duas de uma vez só, que custavam, em média, uns R$250,00 a R$300,00 cada. Não lembro o valor exato que paguei na época. Foi a partir daí que comecei a investir meu dinheiro em figures.


            Até aí, não tinha conhecimento algum de qualidade, e descobri que muitas das que eu tinha eram artigos chineses falsificados. Porém, o que muda? Muitas coisas! As de marca, que o preço pode ser muitas vezes mais caro ou não, às vezes custam o mesmo valor e tem uma qualidade totalmente elevada, começando pelas feições, a pintura e a resistência. O falsificado tem a tendência a derreter, por causa do calor, ou ressecar, por isso pode acabar quebrando. A cor pode desbotar e as feições podem não ser tão realistas. Mesmo correndo esse risco, existem peças que não encontro originais de jeito algum. Tenho muitas de “Cardcaptor Sakura” que se encaixam nesse caso. Então, por essa razão e por termos pouco dinheiro, ainda corremos atrás de alguns artigos nessas condições.
            No ano passado, tomei um conhecimento muito maior sobre colecionar figures e conheci vários colecionadores brasileiros que são trabalhadores normais. Fico me perguntando como eles conseguem pagar as contas pessoais no fim do mês, sendo que a impressão é que eles gastam tudo o que têm comprando figures (risos). Conheci alguns exportadores que trazem para você, direto do Japão, figures originais. Foi aí que me dei conta de que R$250,00 não é nada comparado a uma variedade de valores de figures, que chegam custar até R$5000,00 a mais. Quando você afunda nesse mundo em que você pode encontrar figures que nunca imaginou que poderia ter acesso, você perde para a emoção. Foi assim que comprei as minhas primeiras figures MAIS CARAS. Nunca imaginei-me fazendo tal coisa.


            Comprei uma figure da Ia, de “Vocaloid” por R$650,00 e uma do Yue, de Cardcaptor Sakura” por R$600,00. Esses valores não são nada comparados aos diversos valores que vejo nossos nobres companheiros comprando. Tendo mais acesso aos lançamentos do Japão, você tem que ficar torcendo para não aparecer nada que te atraia ao ponto de fazer perder a cabeça. Vocês querem saber o que me faz perder a cabeça??? Qualquer coisa de “Cardcaptor Sakura”. No entanto, quem dera se fosse somente ela. No momento, estou esperando por 8 figures que já paguei. Alguns estão a caminho e outros comprei na pré-venda, serão lançados em novembro. Eu ainda me controlo com todas as forças do meu ser, porque, se não, eu teria que vender alguns órgãos (risos). O vício por essas coisas é real. Não me espantaria se alguém começasse a vender coisas de casa só para adquirir suas tão preciosas figures. Parece assustador isso, né?
            Não há nada que me deixe mais frustrada, ansiosa e desanimada do que não poder comprar algo que desejo muito, o que se torna complicado nesse mundo aqui, afinal, todos os dias - vocês entenderam??? -  TODOS os dias lançam novos figures. Eu fico morrendo de medo de acordar e ter algo que não sou capaz de resistir. Na crise que estamos vivendo, temos que nos controlar como podemos, mas isso é bem difícil para quem coleciona.
            Tenho comprado os mangás pela Amazon, e alguns eu tenho assinatura. Tenho gastado, em média, uns R$250,00 por mês, mas isso varia muito, porque não é todo mês que todos os títulos que coleciono são lançados. Dentro desse valor, incluo algumas coleções que estão em desfalque e estou tendo de completar, por isso tenho gastado um pouco a mais. Se eu contar com as assinaturas, provavelmente, a média seria de uns R$350,00. Parei de comprar em banca, porque demora muito e tem algumas editoras que não enviam mais para as bancas. Na Amazon, tenho desconto em alguns e comprando a partir de R$100,00 tenho frete grátis.


            As perguntas mais frequentes são: “Você já leu tudo isso?”, “Você é capaz de ler tudo isso?”, “Por que você comprou mais, sendo que nem leu aqueles outros ainda?”. Meus amores, primeiro: sim, eu sou capaz de ler tudo isso, afinal, sou a louca dos mangás. E, sim, já li a maioria. Se eu por em porcentagem, diria que apenas 20% ainda não li. Quem é colecionador sabe que, uma vez lançado um volume, se você não comprar no ato, você corre o risco de não o encontrar mais, ou, se encontrar, pode estar em um valor muito mais caro. Você quer sua coleção completa para, quando for ler, não faltar algum. Então, sim, eu vou comprar agora mesmo, porque não há nada mais irritante do que ter uma coleção em desfalque.
            Quando comecei a colecionar mangás, confesso que meu anseio por eles me fez comprar mangás que me arrependo seriamente. Contudo, você se só da conta desse arrependimento quando o espaço em suas prateleiras está acabando. Aí você olha para aquele título que você detestou e se pergunta o porquê você não pesquisou mais antes de comprar. Por essa razão, ultimamente, estou mais afiada na hora de comprar um mangá. Penso muito se vai valer a pena e se eu realmente vou gostar. É claro que não é só por espaço, afinal, gastar seu precioso dinheiro com algo que, no fim, não vai gostar é horrível e acaba te fazendo não poder comprar outras coisas que gostaria, porque já gastou com algo que odiou.


            Como podem ver, ser colecionadora não é nada fácil, ainda mais quando você coleciona várias coisas. Não esqueça que também sou uma cosplayer iniciante. Todos os dias aparecem novos personagens que acabo me apaixonando e não consigo me conter. Acho que já comecei uma nova coleção, que são perucas. Sou completamente viciada. Nesse ano mesmo comprei 5 perucas. Estou na corrida para fazer os trajes, afinal, não sei por quanto tempo conseguirei manter esse rosto que aparenta ser mais novo do que realmente é. Sim, estou muito preocupada com isso.


            Na semana que vem, vai sair uma postagem falando diretamente sobre a minha coleção de mangás, sobre cada título. Como são muitos, vai ser dividida em duas. Espero que vocês gostem. Depois, vai sair uma sobre as action figures. Espero que eu tenha conseguido compartilhar com vocês um pouco de como é minha vida de colecionadora. Apesar de que eu ainda sou apenas uma de muito baixo nível, comparada a alguns outros por aí. No entanto, minhas coleções são os meus tesouros. Por essa razão, deixo claro: não empresto meus mangás para ninguém. Então, nunca peça emprestado um mangá de um colecionador. Nunca toque nas figures e “olhe com os olhos”, de preferência de uma distância segura. Respeite os colecionadores e seja consciente, porque se não, vai levar um “NÃO” na cara, sem dó nem piedade. Você também coleciona? O que coleciona? Quais são os cuidados que toma com os seus tesouros?

0 comentário

Postar um comentário